O primeiro Anal da Marina

Bom, esse já o segundo conto que escrevo sobre a Marina, não vou descrever tudo de novo, basta ler o anterior. Vou dando prosseguimento:

A partir desse nosso primeiro encontro que foi maravilhoso demais a gente passou a se ver uma vez por semana ou uma vez a cada duas semanas, dependia da minha agenda e da dela, com a minha sempre mais complicada. Mas era sempre maravilhoso, daria vários contos…, mas o que venho contar hoje aqui é que com o tempo e a confiança ela decidiu que eu seria o primeiro a comer seu cuzinho que ainda era virgem. Aí entra outra novidade, a Marina sempre gostou de fumar um baseado.

E nesse período ela me pedia pra fumar quando estava comigo no motel porque ela não tinha como fazer isso em casa por causa da família. Isso me incomodava, muito, mas ela também dizia que isso a deixava com mais tesão e vontade de fazer sexo.

A gente já tinha tentado fazer sexo anal antes e não tinha dado certo, não entrava de jeito nenhum, então especialmente nesse dia eu deixei. Meu pau é muito grosso e ela precisava estar bem relaxada para isso.
Fui busca-la em Vilar dos Teles e fomos para o White House perto do Shopping Grande Rio. Ali nós namoramos gostoso. Cada vez que estávamos juntos era maravilhoso. Ela já peladinha me chupava enquanto eu ficava olhando louco de desejo. Ela já sabia que eu adoro ser chupado enquanto ela me olhava nos olhos com ele na boca e esfregando pelo rosto.. Eu a peguei fiz sentar no meu pau, ela rebolava gostoso e eu segurava nos peitinhos dela, depois subi o corpo e a beijava muito.

Tinha sempre de ter aquela coisa de meter nela de frente, tirar até ficar só a cabecinha e parar… olhar nos olhos dela, ficar esperando ela relaxar sem saber quando viria e… cravar o pau de uma vez só até o talo. Os dois estavam viciados nisso. Eu me segurando pra não gozar logo porque tinha mais coisa pra aproveitar. Metia gostoso, ela gemia baixinho e adorava.

Nunca fui fã de violência mas essa coisa com pegada e com força, eu fazia pra agradá-la, mas me excitava demais ver o quanto ela gostava disso. Dali tentamos fazer, coloquei-a de quatro em cima de cama comigo em pé. Eu levei uma pomada anestésica e KY, passamos bastante… Eu enfiava o dedo no cuzinho dela cheio de pomada enquanto ela me chupava e mesmo assim não entrou. Dali tentamos, ela ajeitou pra mim e eu tentava enfiar e nem assim entrou…

Ela então parou pra fumar na janela enquanto eu fiquei em pé na porta do banheiro olhando pra ela. Eu esperei, ainda incomodado, mas sabendo que tinha um bom motivo. Enquanto esperava, olhava para aquela menina tão linda fumando um baseado, completamente nua com a luz do sol brilhando na sua pele negra e pensava o quanto eu era louco por ela. Ia contra meus próprios princípios essa parte de conviver com a droga, com o fumo, mas aceitava isso dela. Ela já era assim quando a conheci, não adiantava querer muda-la.

Quando acabou ela não ficou diferente, mas o olhar dela mudou. Parecia mesmo que ela estava com fome. A gente se pegou conforme ela falava, nos beijamos e ela foi pra um corrimão da escada do hotel, ficou em pé ali com as mãos apoiadas e eu vim por trás e comecei a tentar meter devagar.

Meti na buceta primeiro, pra retomar o clima. Comecei devagar e depois fui com força, pegava ela pela cintura e socava gostoso até meu pau ficar bem melado(com a camisinha), passei mais lufrificante e tentei meter devagar no cuzinho dela, mas nem assim entrou. Estava ficando frustrante, parecia que não ia rolar de novo….

Até que a levei para a cama e a deitei de bruços, ajeitei bem o pau e comecei a meter de cima para baixo, devagar…entrava cada pedacinho e eu tirava até quase sair e metia de novo, ia entrando devagar, vencendo a resistência até chegar ao fundo. Então parei e beijei sua nuca, e a chamei de minha putinha gostosa, falei que agora eu era o homem dela e que ela nunca ia esquecer de mim.

Voltei a mexer devagar ainda, e aos poucos ia aumentando a velocidade e a força, me estiquei e peguei o telefone, filmei enquanto metia( uma pena que tive de apagar depois).

Em seguida fiz com que ela levantasse e ficasse de quatro e então peguei-la pela cintura e comecei a meter com mais força com força naquele cuzinho gostoso, dava tapas na bunda dela, puxava o cabelo com dreadlocks e tudo. Ela adorava isso. Meti gostoso, cada vez com mais força.

– Agora eu sou seu macho por inteiro. Você me sentiu em todos os lugares. Estava louco pra comer esse cuzinho gostoso. Agora você nunca mais vai esquecer de mim. Tá gostoso minha putinha, esta?
– Ela dizia “Estááa…”, baixinho, concentrada no seu prazer.

Mas acho que por ser a primeira vez ela não conseguiu relaxar pra gozar então, tirei o pau e após trocar a camisinha voltei a meter naquela buceta linda, ai sim… rapidamente deixa-a toda melada. Metia gostoso e dava tapinhas em cima do grelo dela, ela adorava. Fiz isso com as pernas dela sobre meus ombros numa posição de frango assado. Beijava os pés dela e metia com força. Meti e ai senti ela gozar mais de uma vez, meti muito até sentir meu pau inchar dentro dela e dei uma gozada deliciosa, abaixei o corpo e comecei a beija-la. EU gozava e continuava metendo, não tinha como parar, continuei até diminuir os movimentos.
Depois deitamos, os dois suados, ela com a cabeça no meu peito, muitos beijos e muito carinho. Houveram muitos encontros especiais, mas alguns como esse foram inesquecíveis.

Rate this post