Comi minha cunhadinha mais velha

Me chamo Júlio, tenho 23 anos, sou baixo com 169cm de altura, cabelo preto e curto, casados há 1 ano. Sempre fui tarado por sexo, e meu maior sonho sempre foi comer minha cunhadinha. Aliás, este deve ser o desejo de muitas pessoas.

Minha cunhada, se chama Rafaela, é 13 anos mais velha que eu, mas uma mulher linda, loira, magrinha, pele macia, peitos durinhos. Seu casamento acabou faz uns 2 anos e rendeu um filho de 4 anos, e ela sempre reclamava de carência.

Apesar de ficar em inúmeras punhetas pensando nela, nunca tive coragem de jogar uma indireta ou tentar algo a mais, pois ela é muito certinha com tudo.

A história maravilhosa com ela começou nas férias de janeiro. Todos da família da minha esposa decidiu passar alguns dias na praia, entretanto eu consegui apenas alguns dias na minha empresa, pois os negócios estavam crescendo e meu sócio precisava de minha ajuda.

O planejado era chegar na quarta-feira de uma semana e voltar apenas na quarta-feira de outra, entretanto devido a compromissos na empresa, e uma reunião com um fornecedor que estava agendada para terça, decidi voltar na segunda-feira.

Ao longo dos dias que fiquei na praia, sempre ficava com aquele olhar de maldade para minha cunhada, apreciando-a de biquini e imaginando um monte de besteiras. Durante a noite, comia minha esposa pensando na cunhadinha maravilhosa.

Chegando no domingo estava arrumando minhas coisas para ir embora na segunda-feira, eis que chega minha cunhadinha e pede uma carona para voltar para casa comigo, pois o ex dela estava a atormentando porque queria ver o filho. Óbvio que aceitei já imaginando uma oportunidade. Naquela noite fiquei pensando todas as maneiras possíveis de chegar nela, sem que ela contasse para toda a família.

As 9h da segunda-feira, eu, ela e meu sobrinho voltamos para casa, após quase 3h de viagem, chegamos na nossa cidade natal. Logo passei na casa do ex dela, para que ela entregasse a criança para o pai. No caminho até a casa dela, conversamos sobre diversas coisas, até que a convidei para comer alguma coisa a noite, pois nós dois estaríamos sozinhos em suas casas, ela logo aceitou. Nessa hora meu pensamento imaginava um milhão de coisas.

As 19h cheguei na casa dela e decidimos comer em uma lanchonete próxima a casa dela. Na volta ela me convidou para entrar e ficarmos conversando um pouco. No meio da conversa ela dizia que estava muito carente, que não entende porque o ex a traiu e deixou e etc. No meio do papo tomei coragem, toquei o foda-se e disse:

– Cunhadinha, sinceramente não sei o que o Fábio tem na cabeça para te trocar por outra mulher. Você é incrível, linda, cheirosa, fiel, um corpo show, sonho de consumo de qualquer homem. Aliás se eu não fosse casado com sua irmã, você mesmo sendo mais velha, seria meu alvo predileto.
Espantada, ela respondeu:
– Cunhado, não sabia que você pensava isso de mim. Que vergonha.
– Retruquei: Pena que sou casado e que vc nunca me olharia de outra forma.

Neste momento veio a resposta que fez meu pau saltar a bermuda:
– Você que acha. Vontade não falta viu, ainda mais na situação que estou. Se você não contar nada, eu também não conto.
Neste momento ela saltou do outro sofá até meu colo. Começamos a nos beijar muito e trocar carícias. Até que ela levantou e disse:
– Volto logo cunhadinho, me espere.

Sem entender fique na sala, imaginando o que estava por vir. Até que ela surge vestida com uma lingerie fio dental vermelha, toda de renda, com aquele olhar de safada sedenta por sexo.

Ela me chamou para o quarto dela, quando cheguei começamos a nos beijar e ela foi arrancando minha roupa toda, até que caiu de boca no meu pau e chupou como uma verdadeira puta, aquela chupeta devagar e bem molhada. Coloquei minha mão na cabeça dela e fui controlando a velocidade, alternando entre rápido e devagar.

Ela me pediu para deitar na cama, porque iria rolar um strip-tease. Foi maravilhoso aquilo, ela dançava, rebolava e meu tesão aumentava loucamente, só pensava em comer a buceta dela.

Após estar totalmente nua, ela colocou aquela bucetinha molhadinha na minha boca, chupei como se não houvesse o amanhã, ela gozava e urrava no quarto. Peguei meu pau, duro como uma pedra, e coloquei naquela xana quente. Foi coisa de louco, meti muito, ela gemia bem baixinho no meu ouvido pedindo mais.
Depois ela deitou em cima de mim e começou a cavalgar bem devagar, e ia aumentando a velocidade aos poucos, rebolava e quicava no meu pau. Pedi para ela ficar de quatro, comecei colocando na buceta e fui metendo com mais força, depois tentei comer o cuzinho dela, até que ela disse:
– Cunhadinho. Você está sendo bem abusadinho já. Mas eu adoro gente abusada.
Essa foi a deixa para eu comer, coloquei bem devagar naquele cuzinho apertadinho e meti com vontade e ela gemia igual uma putinha gritando:
– Cunhadinhooooooooo, você acaba comigo.

Até que não segurei e gozei dentro do cuzinho com vontade.

Após isso fomos para o banho e nos beijamos muito. No fim das contas acabei passando a noite com ela e fizemos mais sexo.

Rate this post