A crentinha virgem parte 2

Olha eu aqui de novo! Me chamo Lucas, hoje tenho 25 anos, sou moreno, magro, 1,70 de altura, 60 kg, não sou nenhum galã, mas tenho um bom papo e uma pegada muito firme! é o quinto conto que escrevo (tenho vários, caso gostem) peço desculpas qualquer coisa…

Continuando…

Marquei de pega a novinha na quarta a noite pra sair e dessa vez com um pouco mais de tempo, minha intenção era a levar em um motel aqui perto, mas já sabendo que ia recusa disse que ia leva ela pra casa de um amigo. Ao chegar em frente ao motel ela meio que quis reclama então eu controlei a situação e entrei com ela.

Sentei ao lado dela na cama fazendo bastante carinho e beijando aos poucos deixando ela bem a vontade, fui tirando suas roupas e apesar de ser sua primeira vez ela não tinha nem um pouco de vergonha de estar nua pra mim, eu comecei chupa seu pescoço descendo para os peitinhos e depois barriga, dava aquela olhada pra ela a torturando aos poucos até chegar na bucetinha coisa mais linda, chupei muito aquela bucetinha dava alguns tapinhas e alternava a intensidade das chupadas em seguida ela pediu pra me mama tbm e começou repetir aquele delicioso boquete, depois de mais alguns amassos a coloquei no famoso “papai e mamãe” lubrifiquei bastante o pau e comecei pincelar aos poucos aquela bucetinha virgem, estava realmente muito complicado penetra, tive que usa da experiencia pra fazer ela relaxar bem e não desistir, pois ela gritava muito, fiquei imaginando o resto do motel ouvindo ela kkk enfim.. tempo depois consegui enfim dá umas estocadas mais fundas e então tirar o selinho (Delicia).

Depois de já dentro o pau as coisas foram evoluindo e oque era dor virou prazer, ela gemia muito gostoso e isso memotivava cada vez mais segura a gozada, mas era difícil então gozei a primeira vez, com o pau ainda duro deitei por baixo fazendo ela vir por cima para ela controlar, ela adorou ir por cima e aos poucos meia desajeitada já tentava umas cavalgadas, (cá entre nós, com uma bucetinha apertada daquelas nem precisava mais nada pra dar prazer) quando ela já estava acostumada eu a abracei firme e comecei bomba bem mais firme aquela bucetinha e ela delirava, foi quando puxei ela com o ouvido bem pertinho e comecei fala besteiras pra ela e incentivar ela… não demorou 5 min ela estava se contorcendo para goza e que delicia de gozada.

Continuamos mais um pouquinho e a coloquei de 4, a entrada era sempre mais difícil, mas logo depois ela relaxava, nessa hora segurei seu cabelo e comecei dar tapas e estoca até o fundo aquela bucetinha, a mulher estava totalmente entregue e foi questão de pouco tempo vir a sua segunda gozada no que desabou na cama exausta.

Cheguei

pertinho dela e comecei acariciá-la, (minha segunda gozada sempre demora bastante) mas como deu trabalho pra tira o cabacinho e nosso momento já estava vencendo então tomamos um banho e partimos… depois disso transamos outras 6x (na minha cama, na área de casa, embaixo de uma arvore…) e minha namoradinha nem sonha.

Rate this post