A primeira vez com Cívil no Vestiário da Universidade

Sou Henrique tenho 29 anos, sou Gaucho filho de militares e essa história aconteceu a 10 anos atrás, na epoca era um garoto descobrindo o mundo fora da caixinha, hávia acabado de sair da escola de Sargentos do Exercito e tinha sido designado a 12° regiao militar que compreende o estado do Amazonas no norte do País, segui meu destino e logo me instalei na capital morando só no primeiro ano, nunca fui de academia, de pegar pesado nos treinos mas sempre estava buscando manter em forma com as corridas no quartel e tinha acabado de iniciar a Universidade, minha vida se resumia em quartel e faculdade, até que certo dia aconteceu as primeiras troca de olhares com outros homens, sempre tive esse desejo reprimido, mas, nunca tive coragem de ir até o final, estava no quartel atendendo o ultimo paciente do dia, era um cívil, depedente de militar, um cara jovem 1 anos mais velho, muito lindo, alto, branco, forte, usava aquelas calças de moleton que deixava um certo volume nas calças e eu logo percebi que estava ficando excitado olhando pra ele, continuei a fazer meu serviço, ele tinha fobia a agulhas entao tratei de conversar com ele e acalma-lo, fiz a coleta que ele nem percebeu, ao terminal falei pra ele: pronto agora o sr pode ir ao guichê e pegar seu protocolo de exame. ele rapidamente levantou e agradeceu e me encarou por alguns segundos segurando a minha mão que o comprimentava. Passei o dia pensando no rapaz, a tarde eu teria aula na Universidade e me dirigi ao campos, como estava atrasado fui fardado, cheguei no vestirario da faculdade de educacao fisica aonde era famoso por pegaçoes porém era o unico disponivel para tomar um banho, ao retirar minha farda percebia os olhares, mas eu sempre buscava ser discreto e entao nao dava importancia, fui ao meu box tomar meu banho, quando olho para o box da frente dou de cara com o rapaz que estava no meu pensamento a manha toda, minhas pernas estavam bambas, nao sabia que sensação era aquela, estava desnorteado, logo eu, que tive treinamentos, horas de instruções que mexem com o psicologico a lhe dar com situaçoes de perigo, estava ali totalmente exposto a uma sensação incomum para mim, fiquei imovel quando ele chegou proximo e disse: óla novamente Sargento, estudas aqui?, ele perguntou! , apenas ascenei com a cabeça e meus olhos nao paravam de admirar cada parte do corpo dele, ate senti que estava ficando novamente excitado olhando aquele macho pela segunda vez, a essa hora eu ja estava atrasado mesmo acabei nao indo a aula e fiquei no banho esperando ele sair e voltar a puxar assunto comigo, percebi que os demais ja haviam deixado o vestiario e so estavamos nos dois, voltei ao banco que havia na parte central e colocava minha roupa, ai lembrei que havia deixado meu material de banho no box e voltei, quando o vejo se masturbando, com a voz tremula e sem graça apenas falei: esta animado heim!, ele apenas sorriu e disse você nao faz ideial do quanto, e continuou a pegar no kct, era grande uns 20cm branca da cabeça rosada com veias pulsantes, mas uma vez eu me excitava olhando aquele rapaz, e logo ele se aproximou de mim e e pos minha mao no pau dele e ele pos a dele no meu e me beijou, ate entao nunca tinha beijado outro homem, ele me puxou a um banheiro de maior para deficientes e fechou a porta ficamos ali nos beijando e nos acariciando, ele forçava minha cabeça para mama-lo e fui obdecendo, nao tinha pratica, mas fui pegando o ritimo e percebia que ele estava gostando e gemia baixinho, sentia o gosto do kct ele logo me pos de pe e ficou atras de mim, e começou a me linguar, nossa que coisa maravilhosa, sensação de prazer a mil, me contoricia a cada vez mais , cada linguada me deixava mais louco pra senti-lo, foi quando disse a ele que nunca havia dado, ele apenas me beijou e disse que iria fazer com carinho ele pegou a bolsa dele que estava no box e retirou a camisinha e parecia que ja andava preparado, lubrificante e tudo, logo estava de 4 pra ele no banheiro e senti a primeira estocada, a cabeça entrou rasgando senti arder, pedi pra ele parar mas ele estava gostando, continuou a ate entrar tudo, a dor passou a ser tesao, estava gostando de sentir cada cm do meu macho ali naquele banheiro, quando ele anunciou que iria gozar, pedi pra ele meter mais forte que eu iria gozar tambem, e acabei gozando sentindo o kct do meu macho todo dentro, quando ele retirou a camisinha senti aquele ardor com sangue e a camisinha ainda cheio de esperma, continuamos a nos beijar e voltamos a banho, depois daquele dia passamos a transar quase todos os dias, na minha casa ou na trilha da universidade, até que fui transferido para outra cidade na fronteira do amazonas, e tive que deixa-lo, mas foi o gatilho para novas experiencias e com militares da triplice fronteira.

Mais Contos Aqui

Compartilhe com seus amigos:

Deixe um comentário