Padrastro fudendo a bucetinha da enteada novinha

Me chamo Anderson, tenho 40 anos com rostinho e corpo de 30, me cuido muito e tenho pernas grossas. Moro em Brasília há 4 anos, conheci uma mulher muito legal e linda ela tinha 35 anos, morena linda parecia ter 22 muito cuidada e deliciosa, ela tinha uma filha de17 anos muito linda e corpo bem formado, era morena clara, cabelos longos até o bumbum, coxas grossas e uma bunda bem arrebitada, ela era o sonho de qualquer homem, mas não me interessei, amava sua mãe muito, sempre saia cedo para trabalhar e levava ela pra escola, era assim nossa rotina, era uma mocinha bem comportada até que um dia ela trouxe um amigo em casa e foram para o quarto e se trancaram lá dentro, sua mãe chegava após as 22 horas.

 

Eu então encostei o ouvido na porta e pude ouvir uma respiração meio ofegante, dei a volta na casa e fui ate a janela ver se dava pra observar alguma coisa, quando cheguei na janela pela abertura da cortina pude ver ela mamando o pauzinho de seu amigo e ela mamava tão gostoso, depois ficou de quatro e ele meteu nela mas rapidinho ele gozou e ela ficou brava e so ouvi ela dizendo mas já, e dizia trata de levantar ele de novo e o menino disse não consigo, nossa só vi ela se vestindo brava e chamando ele de injusto, e egoísta, ai sai rápido dali e fui para a sala e eles saíram do quarto e perguntei se eles queriam jantar e ela disse que só ela porque seu amigo estava indo embora, assim que ele foi chamei ela pra sentar ao meu lado e disse que vi tudo o que fizeram, ela ficou sem palavras e com vergonha e disse vamos na farmácia comprar pílula do dia seguinte senão iria piorar a situação, e disse que ele gozou rápido porque não é homem experiente e só quer sentir o prazer dele, ai a partir deste dia se tornamos amigos íntimos e era o conselheiro dela, mesmo vendo aquela situação não sentia nada de tesão por ela porque amava sua mãe, após ela ter completado 18 anos mais ou menos uns 5 meses a sua mãe foi em uma excursão com as amigas de trabalho e infelizmente não pude acompanhar por causa do trabalho, no outro dia de manhã recebi uma ligação dizendo que minha companheira tinha se afogado e veio a óbito, nossa meu chão caiu, fiquei muito abatido e minha enteada chorava muito, e mesmo após um tempo de sua morte ela só vivia triste e trancada dentro de casa, eu esperava a irmã de sua mãe buscar ela, mas nunca vinha e já tinha 8 meses que eu cuidava dela e ninguém da família buscava ela.

Eu ficava triste de ver ela naquela situação, então como ninguém buscava ela eu passei a cuidar dela, ajudava nos estudos e tudo, um dia chegando em casa encontrei ela de saia curta sentada no sofá, eu assustei porque a mãe dela não permitia aquele tipo de roupa, eu disse onde arrumou esta roupa ela disse que uma amiga havia lhe dado, então naquele dia senti um enorme tesão por ela, mas entrei para o quarto e enrolei na toalha e fui banhar, depois ajeitei a janta e fomos comer, mas vira e mexe eu não para de olhar aquelas pernas grossas, e já estava 8 meses sem fuder, fui para meu quarto dormir, dei um beijo em seu rosto e fui para meu quarto, eu não conseguia dormir, foi quando eu fui bater uma punheta pensando em minha enteada, meu pau estava muito duro e enorme, eu fazia movimentos de vai e vem com as mãos e de olhos fechados pensando na minha enteada ate que senti um claro abri os olhos e lá estava ela e me pedindo desculpas por ter entrado daquele jeito, eu fiquei sem graça com a pika na mão, ela olhou e disse nunca vi um deste tamanho por isso minha mãe sempre acordava feliz, eu me vesti e disse mocinha vai dormir, desculpe não sabia que iria entrar assim, ai a partir daquele dia ela sempre me provocava e eu só batendo punheta, estava pra ficar louco, lembro bem era uma quarta feira, estava muito frio e para piorar estava chovendo muito e muito raios e trovões, desde as 20horas estava na cama vendo TV no meu quarto, quando minha enteada entra e diz que estava com medo e pede pra dormir comigo ali porque ela morria de medo de raios, eu disse pode vir só vou colocar uma bermuda porque estou de cueca, ela disse não tem problema papi, o senhor não está pelado, e eu estou de camisola, nossa e que camisola, rosa bem clarinho e curtinha, então ela veio pra cama entrou debaixo da coberta e deitou em meu peito, nossa não deu certo meu pau ficou duro na hora, passava muitas coisas em minha cabeça, e ela com aquela mãoinha macia dava carinho em meu peito e barriga, fiquei imóvel e ela começou a dizer nossa mamãe deve que se satisfazia muito na cama com você né, um dia ela me contou que o senhor nunca tinha pressa e sempre procurava satisfazer ela, éramos muito amigas e ela me contava cada coisa que as vezes tinha inveja dela, um dia eu vi pela janela também o senhor fudendo ela, e ela gemia como louca, vocês acharam que eu estava no curso mas neste dia faltou luz e não teve aula por isso voltei cedo e como vi minha mãe gemer muito fiquei curiosa, aquele dia me toquei o dia todo pensando em como o senhor fudia gostoso, eu disse menina vamos parar porque já estou ficando louco aqui, e ai ela me beijou e não teve jeito, eu correspondi e a beijei como um macho faminto faria, arranquei aquela camisola e fui beijando seu corpo todinho, e voltava a beijar sua boca, nossa eu nem sei explicar que coisa linda e mágica, nós dois entregues ao desejo daquele jeito, eu um coroa de quase 35 anos na época e ela uma menina de 18, ela me beijava fazendo som de gemidinho, simplesmente a gente só queria beijar e enquanto fazia isso minhas mãos percorria seu corpo e a tocava com intensidade, ela se contorcia, até que arranquei seu sutien e fui mamando aqueles peitinhos durinho e rosados, mamava como um bezerro faminto, ela ficava falando mama sua menina, nossa Papi como é gostoso sentir sua boquinha, gente que safadeza gostosa, eu fui descendo passando a ponta da língua em sua barriga e dando volta em seu umbigo, até que desci e arranquei sua calcinha com a boca como sempre adoro fazer, e fui subindo lambendo uma e coxa e a outra até que alcanço sua bucetinha, nossa sua bucetinha era muito pequenininha nunca tinha visto uma daquele tamanho, mas com os lábios carnudinho, rosadinha mas peludinha, ela n gostava de aparar ou não tinha este costume, mas estava muito cheirosa, afastei os pelinhos e fui metendo a língua dentro dela, ela deu um grito e disse ai papi eu estou gozando, ela acabou apertando minha cabeça com a coxa e gritou muito em um gemido que nunca tinha ouvido, parecia que estava delirando de prazer, ai suas pernas começou uma tremedeira, era uma loucura, mas continuei enfiando a língua la dentro de sua buceta e a fiz gozar muitas vezes, de vez enquando subia e a beijava e chupava seus peitos, a virei de costas e fui beijando suas costas e esfregando meu pau duro em sua bunda, coloquei um travesseiro debaixo dela e meti a língua em sua bunda e ela dizia nossa papi sua língua é muito gostosa, e lambia suas coxas pelo lado de dentro e sempre alcançava sua buceta, então era sempre assim língua no cuzinho e dedo dentro da buceta toda babada, ela gozava, e quando parei para beber água já era 23 horas, estávamos mais de duas horas beijando e trocando carinhos, quando voltei ela sentou na beirada da cama e pegou meu pau de 20 cm e mamou tão gostoso e dizia vai papi me da este leitinho me faz sua putinha, quero que enche minha boca com sua porra, e me chupava com o boca de veludo, confesso que não queria que acabasse nunca, até que não resisti e gozei muito e ela bebia bem gostoso e olhava pra mim com sorriso e cara de safada, e disse nossa que delícia o gosto de meu macho, eu achava loucuras, mesmo que não era o pai e não tínhamos laços de sangue eu a tinha como filha, ai deitamos e começamos a beijar denovo, quando começamos a beijar denovo não resisti e tive que chupar aquela buceta maravilhosa, ela gemia tão gostoso que não queria terminar nunca, passava a ponta da língua em cada pedacinho daquela buceta, atolava a língua lá dentro e sentia seu melzinho escorrendo, ela gozada muito em minha boca e eu devorava tudo como um macho faminto, eu fazia movimentos e vai e vem com a língua fudendo sua buceta com minha língua, passava a língua por fora na cara daquela bucetinha como se estivesse lambendo um sorvete, ela estremecia toda de prazer, foi quando ela gritou me come logo não aguento mais esperar, fui subindo beijando aquele corpinho de menina comecei a mamar seus peitinhos enquanto esfregava a cabeçona de meu pauzão na entrada de sua buceta, ela enlouqueceu parecia um castigo até que fui atolando ele todo dentro dela até encostar no fundo nossa sua buceta estava toda arreganhada e arrombada a imagem que via era maravilhosa, aquela bucetinha engolindo meu pauzão e a safada dizia arregaça sua putinha, ai levantei suas pernas e coloquei perto dos ombros dela e metia fundo e com força e socava rápido e ela gemia muito parecia que era o último dia de vida, quanto mais eu metia mais ela pedia e dizia vai Papi fode sua menina, coloque ela sentada em meu colo de frente para mim enquanto ela subia e descia em meu pau eu beijava sua boca chupando sua língua e peitinhos, ela gozava tanto que escorria até o lençol, peguei ela e enganchei ela na cintura enquanto ela se equilibrava em meu pescoço a segurava pelas coxas enquanto ela enroscava suas pernas em minha cintura e comecei a fuder ela em pé e ela gritou denovo anunciando que estava gozando, depois coloquei de quatro e metia até as bolas ela colocava a mão para trás pra impedir que entre tudo mas metia com vontade eu queria deixar sua buceta ardendo de tanto dar, ela ficou mole com a bunda pra cima, então tirei meu pau de dentro dela e meti a língua em seu cuzinho e buceta naquela posição de quatro e ela rebolava em minha boca, depois eu deitei de barriga para cima e pedi que ela sentasse em cima, ela socava a buceta em meu pau com vontade, enquanto eu metia nela eu mamava novamente seus peitos e beijava sua boca, até que gozei muito inundando sua buceta e escorreu muito deixei sua buceta pingando, deitei ela de bruços e comecei enfiar o dedo em seu cuzinho e lubrificando ele com minha saliva, coloquei a cabeça de meu pau e fui enfiando devagar ela começou a chorar ai parei e ela disse vai Papi mete neste cuzinho eu vou sobreviver, atolei tudo dentro do rabo dela e fiquei parado beijando suas costas e pescoço até que ela disse pode ir metendo n está doendo, tá é muito gostoso, ai coloquei ela de lado de conchinha e fui fudendo seu cuzinho, sua buceta babava muito de tanto tesão e eu dava tapas em sua bunda e sua cara e falava agora você é putinha domada na pika de seu macho, acabei gozando denovo e deixando aquele cuzinho todo melado de porra, fomos banhar juntos e ainda meti na buceta dela em pé mesmo debaixo do chuveiro, foi maravilhoso o seu gemido era lindo e excitante, ela passou uns dois dias com a buceta toda arregaçada e ardendo, depois ela passou a dormir comigo e fodia ela todo dia fizemos muitas loucuras que vou contar em outros contos, após um ano mais ou menos seu pai apareceu e levou ela para a Austrália tentei lutar por ela mas deu muita briga e ela preferiu ir com seu pai. Se você tem até 28 anos e deseja conhecer um homem carinhoso, ótimo cozinheiro, romântico e que sabe fuder gostoso, intenso, viril e que sabe tratar uma mulher me manda um email e seu zap com DDD, e vamos fuder muito e quem sabe podemos ter uma linda história de amor, mas só mulher que gosta de meter igual no relato aqui, que gosta de pika grande e de homem carinhoso, não tenho vícios, sou muito trabalhador. [email protected]

1 comentário em “Padrastro fudendo a bucetinha da enteada novinha”

  1. Novinhas safadinhas e evangélicas safadinhas e casadas safadinhas vamos gozar gostoso no sexo virtual deixo tua bucetinha toda gozadinha 02163992308344

Deixe uma resposta