O filho do meu padrinho

Meu nome é Marcos, casado, com filhos, esse é meu primeiro conto, pretendo compartilhar com vocês algumas aventuras vividas ao longo desses vários anos de vida.
Era domingo e meu padrinho, que há muitos anos não via, apareceu em casa com sua esposa e seu filho mais novo, para deixar uma lembrança de aniversário. Estava completando 11 anos.
Carlos, filho do meu padrinho, tinha 13 anos era simpático, comunicativo, fizemos amizade fácil e passamos o domingo brincando e conversando.
Na hora de ir embora ele me perguntou se não queria passar a última semana de férias na casa dele.
_ Acho que meu pai não deixa, disse.
Carlos conversou com meu padrinho, que falou com meu pai e meu pai deixou… Fiquei de voltar na sexta pela manhã.
Como chegamos tarde, minha madrinha pediu que tomássemos banho logo, pois ela ia preparar um lanche, para não dormirmos com fome. Fomos tomar banho juntos para não demorar.
Quando me viu pelado, Carlos falou que minha bunda era bem gordinha e deu uma beliscada nela… Eu apenas ri, meio envergonhado, pois nunca tinha ficado pelado na frente de outra pessoa. Carlos pediu para eu esfregar as costas dele e, depois ele veio me esfregar, só que ele ficou bem perto de mim, tanto que sentia sua respiracão quente no meu pescoço e seu pinto roçando minha bunda. Deu para perceber que seu pinto tava bem duro e era bem maior que o meu. Agi com naturalidade, fingi que era tudo normal. Saimos do banho, comemos o lanche e fomos dormir.
Fiquei na cama do seu irmão mais velho que estava na universidade e morava em república, vinha para casa de vez em quando. Adormeci rápido, mas logo despertei, pois sentia uma mão deslizando pela minha bunda. Fingi continuar dormindo para saber onde isso ia dar. Meu short do pijama já tinha sido abaixado, estava com a bunda de fora e aquela mão deslizava pelo meu reguinho e por toda minha bunda. Estava de bruço e meu pinto ficou super duro de tesão, meu corpo sentia calafrios e eu me segurava ao máximo para não soltar nenhum gemido, não queria que soubesse que estava acordado.
Lentamente, ele foi virando meu corpo de lado, deixando minha bunda virada para o lado de fora da cama e passei a sentir seu pinto esfregando em minha bunda, meu coração começou a bater mais forte, logo senti seu pinto super duro abrindo meu reguinho, obviamente, procurando meu anel ainda virgem…. Mas antes de tocá- lo, ouvi um gemido e senti um liquido quente escorrendo pela minha bunda (Soube depois que aquilo era porra e que ele tinha gozado no meu reguinho). Carlos saiu rapidamente do quarto foi ao banheiro voltou com papel, limpou minha bunda e o chão do quarto, levantou meu short voltou para sua cama e dormiu. E eu, antes de dormir, fiquei pensando no que tinha acontecido… Naquela sensação gostosa de ser acariciado….
Durante o café da manhã, Carlos esperou sua mãe sair da cozinha para me perguntar se tinha dormido bem. Disse que sim, tinha sono de pedra, não acordo fácil. Passamos o resto do dia brincando e não tocamos mais no assunto.
Fim de tarde, hora do banho, e lá fomos nós dois, de novo. Dessa vez quando foi esfregar minhas costas, Carlos aproveitou e ensaboou minha bunda também.
_ Você gostou de mexer aí, heim? Disse para o Carlos;
_ É que ela é bem fofinha, respondeu.
Como não encontrava resistências Carlos foi abusando cada vez mais. Ensaboou bem o pinto dele, passou mais sabão em minha bunda, inclusive no meu reguinho, pegou o shampoo e fingiu lavar meu cabelo. De costas para ele, nossos corpos se colaram e seu pinto super duro, deslizou no meu reguinho e parou bem na portinha, forçando levemente. Nesse momento meu corpo estremeceu e ficou todo arrepiado. Carlos percebeu e me perguntou: Posso? Acenei que sim, com a cabeça. Estava meio atordoado de tesão, não sabia direito o que estava acontecendo, mas estava adorando. Carlos, então, pede que eu me incline mais para frente, apoie as mãos na parede e abra mais as pernas. Sinto suas mãos acariciando minha bunda, como na noite anterior. A cabeça do seu pinto encosta no meu anelzinho, força e entra. Solto um gemido de dor, ele para um pouco para que eu acostume e começa a empurrar lentamente até seu corpo colar totalmente ao meu. Estava ardendo… Mas estava gostoso. Quando ele começa o vai e vem, a madrinha bate na porta e fala para não demorar no banho, que o padrinho já está para chegar. Dissemos que já estávamos saindo. Carlos tira o pau de dentro e fala: Quando a gente for dormir, continuamos.
Jantamos, ficamos assistindo televisão, conversei bastante com os padrinhos e resolvi dormir já estava ficando tarde, Carlos ficou mais um pouco na sala. Aproveitei, tirei toda a roupa e me cobri com o lençol. Ouvi quando todos se davam boa noite, os padrinhos foram para o quarto deles e logo em seguida Carlos entra no dele. Deita por cima de mim e pergunta: Onde é que nós paramos???? Quando ele tira o lençol e vê que estou completamente pelado, fica doido de tesão, tira as roupas rapidamente e monta em cima de mim… Depois pede para eu ficar de quatro, passa saliva no pau e enfia no meu rabo… Delícia… Estava ardendo… Mas estava uma delicia… Carlos começa um vai e vem com cuidado, não podemos fazer barulho… Meus gemidos são abafados pelo travesseiro…. Ele acelera mais um pouco e diz: Vou gozar!! Eu sinto aquele liquido quente de novo, agora dentro de mim. Carlos tira o pau da minha bunda e pede: Lambe a porra que tá saindo do pau… Como sou obediente coloquei seu pau na boca e lambi o resto de porra que saia. Carlos foi ao banheiro pegou papel para nos limparmos e fomos dormir…. Super cansados. Os dias seguintes não foram diferentes, só que agora transávamos no banho e na hora de dormir. Sexta bem cedo o padrinho me levou de volta. Haviamos prometido nos reencontrar nas próximas férias… Só que o padrinho mudou para o interior de São Paulo, por causa da empresa em que trabalhava e acabamos perdendo contato.

Compartilhe com seus amigos:

Deixe um comentário