Visitando o Tio do meu namorado

Oi gente tudo bem, eu sou Amandinha rsrs lembram de mim? Bom gente hoje eu vou contar uma história que aconteceu outro dia, quando eu fui viajar com meu namorado para visitar uns familiares dele na Argentina. Para quem não acompanha meus contos, meu nome é Amanda tenho 26 anos, e sou enfermeira numa pequena cidade aqui de Santa Catarina. Sou loirinha, pele clara, mais ou menos 1,70 de altura, e peso uns 60 kg. Dizem que sou muito gostosa, rsrs,acho que falam isso devido ao meu bumbum avantajado. Minha bunda tem cerca de 105 cm, e é a parte que mais gosto no meu corpo. Cuido bem dele com horas de academia todo dia. Além disso, tenho peitos grandes, embora sejam de silicone. Vou academia quase todos os dias para manter o meu corpinho, e adoro pegar sol para manter a minha pele bronzeada e com marquinha de biquíni. Também gosto de deixar aqueles pelinhos loiros nas coxas e na bunda sabe? para atiçar ainda mais a imaginação dos homens. Bom gente vamos ao conto. Outro dia meu namorado resolveu visitar um tio dele que tem uma pequena fazenda na Argentina. como a gente não tá tão longe assim de lá, resolvemos pegar a estrada e ir de carro msm. Como a viagem seria bem cansativa resolvi pôr uma roupa bem confortável pra ir mais à vontade. Vestir uma bermudinha soltinha bem curta quase mostrando as poupinhas da minha bunda, essa bermuda era de tecido bem fininho de modo que meu bumbum ficava engolindo o short toda hora. Na parte de cima, coloquei um tomara que caia de rendinha e elástico, sem sutiã, que deixava minha cinturinha toda de fora. Bom, saímos de casa pela manhã, com a intenção de chegar na Argentina à noitinha. A viagem corria bem, até que meu namorado teve a brilhante ideia de eu pagar um boquete para ele enquanto ele dirigia. Já fiz isso várias vezes, inclusive com outros caras rsrs, então não me incomodei com o seu pedido. Como uma boa boqueteira abaixei a cabeça e abrir a sua berguilha, tirei o pauzinho dele para fora, mas, como eu já falei, não é dos maiores. Para completar filho da puta ainda estava meia bomba e não queria endurecer de jeito nenhum. Caprichei na chupeta sabe? Passava a linguinha, lambia do pé da pica até sua cabeça, mamava as bolas com todo carinho, mas nada do pau ficar duro.

  • Porra amor, se não ta com tesão, pq me pediu pra fazer isso?
  • É que tô nervoso amor, faz mais só um pouquinho que eu consigo.

Resolvi continuar tentando resuscitar aquela pica. Usei tão bem a minha boquinha que ele começou a revirar os olhinhos e não viu quando a gente passou por uma viatura policial. Não demorou muito e começamos a ouvir o barulho das sirenes logo atrás da gente. Nós já estávamos do lado argentino portanto os policiais já seriam daquele país. Meu namorado encostou o carro e logo em seguida a viatura encostou também. Dela saíram dois policiais: um alto com pele bem branquinha e um mais baixinho e gordinho, que parecia ser um pouco mais velho. Eles colocaram a lanterna na nossa cara e nos pediram para sair do carro.

-Parece que você estava gostando muito do que ela estava fazendo pra você no carro não é garoto? – disse mais alto obviamente em espanhol.

Meu namorado, que também fala aquela língua, respondeu que não estava acontecendo nada, que nós apenas estávamos indo visitar alguns familiares dele. Quando viram que éramos brasileiros, os policiais ficaram mais rudes ainda, obiviamente porque os argentinos não gostam muito de nós brasileiros.

  • Bom, o que você estava fazendo é muito errado sim, e vocês vão ter que pagar por isso. E a principal culpada é você loirinha.
  • Como assim Eu? – retruquei espantada.
  • Bom, nós vimos muito bem o que você estava fazendo. Toda ação quem praticou foi você, então é você que tem que ser punida, não é mesmo sargento?
  • Exatamente Gael, a loirinha é culpada, por isso vou ter que conduzi-lá até a viatura para que ela possa pagar de acordo com as nossas regras.
  • Olha, nós não fizemos nada, deve estar havendo algum engano- disse meu namorado assustado.
  • Acho melhor você ficar quietinho para as coisas não se complicarem ainda mais Garoto. Eu vou conduzir sua namorada até a viatura e ela apenas vai assinar alguns documentos e vai ficar tudo bem. Enquanto isso, você aguarda aqui com meu companheiro. Daqui a pouco nós voltamos.

O policial foi então me conduzindo até a viatura que tinha ficado um pouco afastada. Ele era o mais velho gordinho e percebi que ele fez questão de ir atrás de mim, provavelmente estava gostando da visão da minha bunda, que a essa altura já estava com as roupinhas tudo de fora devido ao meu shortinho muito curto.

Quando chegamos na viatura ele me falou que eu ia ter que fazer um farvorzinho para ele se quisesse que ele limpasse nossa ficha, pra gente seguir viagem. óbvio né gente, vocês já devem imaginar o que foi o filho da puta pediu. Ele queria passar a mão pelo meu corpo inteiro e depois ia querer um boquete. fiquei muito nervosa e assustada, mas ali, naquele país, a gente não tinha muita opção. Se não fizesse aquilo, as coisas poderiam se complicar, então resolvi atender ao pedido do coroa e deixei que ele se aproximasse de mim. Ele chegou bem perto, me virou de costas e me deu um tapa forte na bunda, tão forte que acho até que meu namorado conseguiu ouvir o barulho. Depois subiu as mãos até meus peitos e com um golpe só, abaixou meu tomara que caia deixando minhas tetas durinhas toda de fora. Ele começou a massagear os meus mamilos enquanto me encoxava forte por trás. O pior, é que fico louca quando tocam os meus mamilos, então rapidamente eles começaram a endurecer nas mãos do policial. O velho quando percebeu isso, se animou ainda mais e eu já conseguia sentir o volume nas calças dele pressionando minha raba. Na hora já sabia que não seria fácil pagar um boquete para uma pica daquele tamanho. O safado continuou me apalpando por mais algum tempo, passou aquelas mãos grossas por todas as partes do meu corpo, principalmente na bunda, na virilha e nos peitos. Já quase no final, virou meu rosto e meu forçou a beijar na sua boca. Ele socou a língua na minha boquinha me fazendo quase vomitar. Movimentava bastante a língua na minha boca, passando-a no céu da minha boca enquanto me encoxava que nem um louco. Depois de satisfazer aquelas mãos em meu corpo, o policial me pôs na sua frente, pediu que eu abrisse seu zíper e que começasse a mamar. eu não tinha escolha a não ser obedecer a ele. Me ajoelhei, abri seus ziper e pus sua rola para fora das calças. Como disse, não era uma rola qualquer, ela é muito grossa cabeçuda, e ainda por cima, bem rosadinho. Mas o que mais me chamou atenção foram os cabelinhos grisalhos em seu saco. Gente, eu fico louca de tesão com um pau maduro com cabelos brancos nos ovos, e com aquele monte de veias, confesso que fiquei muito excitada na hora e comecei a mamar como uma puta, mesmo sabendo que meu namorado estava a poucos metros dali. Comecei pelos ovos deixando-os bem babadinhos escorrendo minha saliva por eles. Depois fui subindo por aquele tronco grosso lambendo cada centímetro daquela tora até chegar na cabeça. Tirei a pele de cima, deixando aquela cabeçorra toda de fora e caÍ de boca naquela maçã vermelhinha. Tive que fazer um esforço enorme para colocar tudo aquilo na minha boca. O coroa, vendo meu esforço, resolveu ajudar. Segurou pelos meus cabelos e começou a bombar na minha boquinha me dando golfadas muito violentas a ponto de me fazer engasgar. A essa altura, o meu medo era que meu namorado estivesse vendo ou ouvindo tudo aquilo. Comecei então a fazer de tudo para o velho gozar logo, e comecei a colaborar muito com ele para deixa-lo com mais tesão. Passei então a bater uma punheta caprichada em seu pau, enquanto mamava suas bolas e o encarava no fundo de seus olhos. Provocava ele com um olhar fixo de putinha safada, e de vez em quando, piscava e sorria para ele com cara de piranha. É claro que o velho gostou. começou a aumentar os ritmos das estocadas e a gemer bem alto. Eu já sabia que uma leitada forte viria dali. Em determinado momento, ele me fez engolir seu mastro inteiro, até suas bolas tocarem no meu queixo. Quando o pau estava todo na minha garganta, ele anunciou o gozo. O filho da puta começou a gozar sem tirar o pau do meu esôfago, tentei me desvencilhar, mas ele segurou forte minha cabeça e gozou direto no meu estômago. Consegui contar umas cinco golfadas bem fortes de porra direto na minha garganta. Depois disso engasguei na pica dele e começou a sair porra pelo meu nariz é pela minha boca. A julgar pela a cor do amarelada do esperma, e pelo cheiro forte, acho que ele estava a um bom tempo sem gozar. Era uma porra muito espessa e fedida, mas tive que dá conta de tudo. O velho só ria de mim enquanto ainda jogava mais uns jatos de sémem na minha cara.

Depois disso, ele disse para eu esperar alí, pois o seu colega provavelmente também ia querer um pagamento. Então ele se dirigiu até o carro do meu namorado e falou alguma coisa para o outro policial que riu, e começou a caminhar em minha direção.

  • Então putinha, eu vou querer um pagamento igual ao que você deu para sargento, só que melhor- disse ele ao chegar.

Eu só queria que aquilo acabasse logo, então falei para ele tirar o pau para fora para que eu terminasse logo o serviço.

-kkkk calma putinha, não é bem assim, você vai me chupar sim, só que o meu pagamento mesmo vai ser outra coisa. Olha só o que eu tenho para você aqui.

O desgraçado puxa uma bela rola grande, porém fina, de dentro de suas calças, ficou balançando aquela cobra na minha frente por alguns segundos, até se aproximar e colocar na minha cara. Ele pediu para que eu fizesse um boquete bem devagar, com muita calma, pois ele gostava de boquete bem carinhoso e molhadinho. Claro que eu obedeci né gente, afinal eu não tinha escolha. Então comecei a fazer uma gulosa no policial, como meus peitos já estavam de fora, e a rola dele era bem grandinha, decidi então fazer uma espanhola para ver se ele gozava logo. É claro que ele adorou a ideia, ficou ali fodendo meus peitos enquanto eu, com a linguinha para fora, lambia a cabecinha de sua pica a cada bombada. Esse cara estava muito excitado, rsrs..talvez pela posição em que eu estava, de joelhos ali,só de shortinho na frente dele, com meu bundão bem abertinho e a minhas tetas com marquinha de sol servindo a ele que nem uma escrava. Porém, ele também era esperto, e não ia se contentar apenas com um boquete. Quando já estava perto de gozar, me pegou pelos braços e me levantou.

-Agora putinha, vou te mostrar o que nós fazemos com brasileiras safadas que nem você.

O filho da puta me algemou, abriu a porta de trás da viatura e me enclinou sobre a poltrona. fiquei ali com a raba empinada para fora da viatura completamente indefesa, desgraçado abaixou meu short revelando aquela minha bundona loira com marquinha de biquíni minúscula. Eu usava uma calcinha fio-dental vermelhinha socada no meu cu. Do jeito que estava debruçada, o meu bumbum ficava ainda maior. Ele chegou então por trás de mim, apertando minha cintura e colocando os seus dedos bem naqueles buraquinhos que ficam nas costas perto da bunda e começou a pincelar minha buceta.

  • Por favor, põe uma camisinha amor, eu não quero engravidar. Faz o que eu tô te pedindo que eu prometo que vou ser uma putinha bem obediente para você.

Ele apenas riu, ignorou o meu pedido, e introduziu aquela jeba de uma vez na minha buceta. Como já aguentei picas bem maiores não senti dor, apenas prazer, era uma pica fina, porém muito longa. Conseguia senti-la pressionando meu útero. Ele bombava que nem um louco em minha xaninha, me fazendo soltar gemidos que eu tentava abafar mordendo a poltrona, para que meu namorado não ouvisse..

-Toma sou brasileira puta, toma essa rola Argentina que eu sei que você adora. Vou gozar tão forte dentro de você, que vai passar uma semana escorrendo porra dessa buceta.

-Goza cachorro, goza na tua cadelinha entope essa bucetinha loira de porra quente..

-Kkkk já tá gostando né piranha? eu já sabia que toda brasileira é puta.. já perdi a conta de tantas que já comi nessas estradas..

  • aaaiiiiii….soca devagar, porra!! Você ta me arrombando!!

-isso vadiazinha… geme para mim geme …só toma cuidado para o teu corninho no ouvir..kkkk

Gente, quando ele falou isso, foi que me lembrei que meu namorado estava perto rsrs…já estava tão completamente louca de tesão e completamente entregue aquele argentino que esqueci do meu corninho. Rsrs

Mesmo algemada e com ele engatado em mim como um cachorro, consegui me erguer um pouco pra tentar avistar meu namorado.

Eu percebi que de onde nós estávamos era possível sermos vistos. Consegui avistar meu namorado conversando com policial que a pouco tempo enchera minha cara de porra. O coitado não imaginava o que aquele velho tinha feito com a princesinha loira dele. Minha bucetinha já estava dormente de tanta bombada que estava levando daquele policial. O filho da puta não gozava nunca e parecia está faminto por buceta. Para minha surpresa, em determinado momento o policial que me comia acenou para o sargento que conversava com o meu namorado. Ele o chamou para junto de nós, percebi então o sargento algemando meu namorado em um poste lá onde eles estavam, e em seguida caminhando em nossa direção.

  • Que foi cabo, não consegue dar conta dessa putinha sozinho?

-Esse rabo gigante sargento, não consigo comer sozinho, acho que essa puta merece uma DP kkkk.

Genteee, não acreditei no que eu ouvi, eles queriam me enrrabar, e praticamente na frente do meu namorado rsrs…Ergui a cabeça novamente para tentar avistar meu namorado, felizmente, percebi que ele estava de costa e não ia ver a tortura que a sua namoradinha iria passar. O sargento gordinho entrou na viatura e sentou. Como eu estava algemada, fui praticamente colocada sentadinha com a buceta aberta no pau do velhinho. O outro policial então chegou por trás de mim e completou o serviço. Introduziu aquela cobra inteira no meu cu sem a menor pena de mim. Virei um legítimo sanduíche argentino kkk. Fiquei ali uns 20 minutos aguentando aquela dor que elas duas picas no meu cu e na minha bucetinha me faziam passar. Confesso que já estava assada de tanto ser comida, mas estava gostando. O policial que me enrrabava me puxava pela cabeça e beijava minha boca, enquanto o velhinho comia meu priquitinho e chupava meus peitos tão forte, a ponto de deixá-los bem marcados.

Os filhos da puta fizeram a festa no meu rabo, trocaram de posição várias vezes e ficaram alternando entre meu cu e minha buceta. Na hora de gozar pedi que não gozassem dentro de mim novamente,

E para minha surpresa, dessa vez eu fui atendida. Me levaram para fora da viatura e me ajoelhar no chão, ficaram os dois ali batendo punheta na minha cara vendo meu corpo branquinha cheio de marcas vermelhas de tanto que eles tinham me batido. Antes de gozar, ainda me deram uma surra de pica. Genteee, eu adoro tomar surra de pica rsrs…pediram para que eu pusesse minha linguinha para fora e começaram a bater nela e nas minhas bochechas com aquelas rolas maravilhosas.. agora era meu rosto que estava vermelhinho, ia ter que inventar uma boa desculpa para o meu corninho. Finalmente gozaram, e gozaram muito. Foi uma bela esporrada na minha cara, uma verdadeira chuva de porra direto no meu rostinho. Como uma boa menina obediente limpei seus cacetes, levantei suas calças, e guardei seus paus. Perguntei se estava tudo bem, e se podíamos partir e eles, exaustos, disseram que sim. me limpei como pude com um pouco de papel higiênico que me deram, mas sabia que tinha muita porra dentro de mim e provavelmente muita porra em meu cabelo e na minha cara,que eu ia ter que dar um jeito de esconder do meu corninho… Voltamos pro carro e rapidamente pus um agasalho com capuz, pra tentar esconder meu corpo desdruido.

  • pronto garoto, a dívida está paga, agora vocês podem seguir- disse o sargento para o meu namorado.
  • muito obrigado polícias, mas pq demoraram tanto?
  • Bom, isso a tua namorada explica kkkk.

Bom gente é isso, daqui a pouco eu volto para contar segunda parte dessa história. Pra falar do que aconteceu quando chegamos na casa do tio dele. espero que tenham gostado… bjs e mandem e- mails se gostarem.

folmanamandinha@gmail.com

Compartilhe com seus amigos:

Deixe um comentário