A filha da empregada

Bom, me chamo Cíntia e essa história já tem uns 4 anos. Eu havia acabado de completar 15 anos. Estava com os hormônios a flor da pele, já havia trocado beijos e uns amassos com uns 3 meninos.

Mas eu gostava mesmo era de provocar, adorava empinar a bunda qndo eles passavam, deixar o decote a mostra. Provocava os meninos da escola e alguns professores. Eu tbm era louca por filme pornô e masturbação. Era uma verdadeira puta virgem. Meus pais são separados e eu moro com minha mãe em uma bela casa, ela é advogada de uma empresa e a maior parte do tempo eu passo com a Lourdes uma senhora que trabalha aqui em casa. Lourdes tem 50 anos é negra, gordinha estatura média, um amor de pessoa e muito religiosa, sempre está de coque e saias longas.

Ela tem uma filha que na época tinha 17 anos, Sarah. Costumavamos brincar quando criança, lembro dela até meus 12 anos, era magrinha, negra, um tom de pele mais claro que o da mãe, era tímida e muito quieta. De repente ela sumiu, a mãe disse que ela havia ganhado uma bolsa e estaria num colégio com horário integral, ela realmente era muito estudiosa e muito inteligente. Isso foi um inferno na minha vida, minha mãe sempre fazia comparações idiotas, tipo a Sara, ganhou bolsa para um ótimo colégio, a Sara está ja fala inglês fluentemente ,olha ela passou em 1° lugar na olimpíada de redação, ela ganhou uma viajem com os melhores alunos de química, a Sarah já é líder de grupo na igreja dela. Toma no cu, que raiva dessa Filha da @#$.
Mas enfim…
Um belo dia chego em casa da escola e ouço vozes na Cozinha. Vejo minha mãe sentada com uma menina a qual não reconheci enquanto Lourdes terminava de lavar a louça.
Boa tarde, comprimento.
Minha mãe entusiasmada já fala
Olha Cíntia é a Sarah, vc lembra dela?
Dei um sorriso amarelo e já começo a xingala mentalmente.
Sarah se levanta, ela é encorpada, seios fartos, não grandes, mas bonitos que chamam a atenção, quadris largos, usava óculos e um rabo de cavalo baixo, tudo isso embaixo de um vestido até o joelho e um pouco largo. Não era bonita, mas tbm ao era feia. Eu era bonitinha, meus seios pequenos, magrinha, loira, cabelos médio. Perto dela parecia uma menina de 13 anos.
Ela veio me abraçou e minha mãe começou com a ladainha, a Sarah isso , a Sarah aquilo.

Minha mãe chegou a oferecer dinheiro para ela me ajudar em algumas matérias, coitada achou que Sarah seria uma boa influência para mim.
Minha mãe logo seguiu para o trabalho e Lourdes foi para a lavanderia. Sarah se ofereceu para me ajudar com algumas matérias e eu aceitei, não ia fazer a orgulhosa. Cheguei no quarto tirei a blusa e senti que ela ficou sem graça e eu achei aquilo engraçado, afinal eu estava de top.

Quando abri o caderno caiu um desenho de um pênis que uma amiga minha idiota tinha feito é colocado no caderno sem eu ver. Nossa, Sarah ajeitou o óculos e ficou super sem graça. Então não sei porque comecei com as minhas provocações. Perguntei se ela tinha namorado, ela disse q não, se ela já havia beijado alguém, ela desconversou. Mostrei a ela um vídeo que estava rolando na escola de 2 menina com um aluno do último ano. Ela nem quis ver o vídeo todo. Levantou e saiu, disse que quando eu quisesse estudar eu a chamasse. Não sei pq aquilo me exitou nunca provoquei mulheres, já vi filme , me masturbo, mas na real nunca. Eu fiquei tão cheia de tesão que acabei tirando a roupa e roçando no meu travesseiro até gozar gostoso. No outro dia ela estava lá novamente, era final de ano e a filha da mãe já estava de férias e eu lutando nas provas finais. Ela mal me olhou, eu coloquei um shortinho bem curto com a poupa aparecendo e uma blusa solta sem soutian. Sempre que dava e a mãe dela não estava olhando ou presente eu a provocava, inclinava os seios, dava um jeito de passar a bunda no braço dela q estava sentada. Eu vi suas bochechas corarem e isso me dava muito tesão. Elas foram embora a tardinha e eu me masturbei novamente, esse era o meu lance, provocar e me masturbar. No outro dia, ela não foi, perguntei a Lourdes o que houve, ela disse q Sara tinha um compromisso na igreja. Eu me senti culpada, a menina era da igreja, séria, tímida e eu de putaria. Decidi parar, se um dia a visse novamente. Passaram se uns dias eu cheguei da escola e Sarah estava passando roupa, enquanto Lourdes faxinava a cozinha. Me comprimentaram e eu sem graça fui para meu quarto. Minha mãe chegou e Lourdes ainda estava em casa, pediu para ficar lá pois onde ela morava estava havendo tiroteio.
Minha mãe claro deixou, como o quarto de funcionários era Pequeno, minha mãe ofereceu meu quarto para a Sarah. Eu fiquei sem graça na hora, não conseguia olhar para ela. Ela na hora disse q não, que dormiria no chão ao lado da mãe, mais minha mãe insistiu afinal minha cama era aquelas de puxar em baixo.

Minha mãe aproveitou e disse que iria sair com umas amigas.
Coloquei uma camisola dessas de malha de bichinho e nem olhei para o que Sara estava vestindo,minha mãe deve ter dado alguma coisa ou sei lá. Ela falou um pouco do grupo, da escola e eu permaneci calada. Acabei dormindo, mas ainda vi minha mãe chegar e abrir a porta do quarto e da uma olhada em nos 2. Sarah dormia profundamente, pelo menos era o q eu achava.

Meio sonolenta ouvi a porta ser trancada, mais achei q estivesse sonhando, de repente senti uma mão em minha perna, por baixo da coberta eu estava de barriga pra cima, a mão subiu até o meio de minhas pernas. Eu acordei assustada, foi quando Sarah inclinou o corpo sobre o meu me travando, colocou o dedo na boca e fez sinal de silêncio. -Shiiii

O que é isso, vc está louca? Perguntei assustada.

Ela agarrou meu cabelo e disse olhando na minha cara. O que foi vadiazinha, vc achou que ia ficar provocando a filha da empregada e sair assim? Acho bom vc ficar quietinha e fazer o que eu mando.
Eu engoli em seco, será que ela está possuída?
-Acho bom vc para com essa brincadeira se não eu chamo minha mãe. Abri a boca com o se fosse gritar.
Ela rapidamente me beijou e enfiou a língua em minha boca, me segurando forte e eu com o olho arregalados sem saber o que fazer. Ela cobriu minha boca com uma das mãos e com a outra desceu a alça da camisola atacando meu seio. Tentei me mexer, mas ela me segurava e disse
– Acho bom vc ficar quietinha se não eu posso te machucar. Ela abocanhou meu seio, eu senti medo, nervoso, mas aquilo era tão bom. O que eu tô dizendo aí…que delícia, ela passava a língua sugava, ela soltou minha boca e começou a segurar os 2 e chupava um por um. Ninguém nunca tinha feito isso, ela desseu uma das mãos até o meio de minhas pernas e começou a me acariciar por cima da calcinha, depois colocou a mãos acariciando meu clitóris. Eu já estava melada. Ela sussurrou no meu ouvido senta vadiazinha, senta.
Eu sentei na beira da cama e ela sussurrou abre e eu abri as pernas. Ela colocou minha calcinha para o lado e começou a me lamber bem de vagar, aquilo era maravilhoso, depois ela sugava, enfiava a língua e eu delirava. Ela subiu até meu seio sugou os dois lentamente, beijou meu pescoço e sussurrou em meu ouvido. Que gozar quer? Eu balancei a cabeça dizendo q sim. Ela segurou meu cabelo puxando ele para trás e disse com raiva. Não vai não,
Eu enlouqueci. Ela me empurrou da cama e disse fica de joelhos eu obedeci, não sabia o que ela ia fazer, mas obedeci. Ela abriu as pernas e disse me Chupa. Eu disse não horrorizada. Ela segurou meu cabelo lamber meu rosto e disse vai sim. Vc é minha vadiazinha, chupa. Ela empurrou meu rosto no meio de suas pernas e começou entregar a buceta na minha cara, no início eu comecei por medo, depois eu comecei a gostar daquele cheiro e do gosto tbm. Eu parecia um bezerro, não sabia o que estava fazendo, mas eu chupava, lâmina, enfiava a língua, ela ficou de quatro e eu enfiava a língua no cuzinho dela. Eu estava louca de tesão. Ela gozou na minha boca e me fez lamber todo melzinho. Não satisfeita ela colocou os seios em minha boca e eu mamava um de cada vez.
Depois ela começou com uma tesoura deliciosa até que eu gozei de um jeito que nunca havia gozado. Eu mal tive tempo de me recuperar e ela iniciou um meia nove, esfregando novamente aquela buceta suculenta na minha cara e eu gozei gostoso na boquinha dela, enquanto ela melava minha cara de novo. Foi a noite toda assim. No outro dia eu acordei num cansaço que nem fui para a escola e a safada agindo como se nada tivesse acontecido.
Ela voltou lá em casa algumas vezes antes de ir para a escola militar, depois eu conto como perdi a virgindade com o amigo dela

Leia mais contos eróticos lésbica

Contos Eróticos Relacionados:

Compartilhe com seus amigos:

3 comentários em “A filha da empregada”

Deixe uma resposta