Colega transexual

Meu nome é Maria Fernanda. Este é o meu sexto conto.
Sou divorciada, moro sozinha, sem filhos, com 49 anos sou dona da minha vida.Trabalho como enfermeira em hospital privado de São Paulo.
Tenho coxas grossas, cintura fina, seios volumosos, quadril largo e bunda grande.Uso cabelo curto, até por força da minha atividade profissional.
Sendo uma mulher alta, para o padrão brasileiro, tenho 1,77 m, a minha parteíntima também é bem desenvolvida, possuo aquilo que popular e vulgarmenteé chamada de “pata de camelo”, ou seja, meus lábios vaginais são bem salientes.

Nos filmes de sexo explícito que eu adoro assistir, tenho uma coleção de DVDs, tem uma coisa que me deixa com muito tesão. São aquelas cenas com transexuais fudendo mulheres.

Fico toda molhada vendo uma mulher com seios grandes, rosto bonito, pele bem lisa, pés pequenos, mãos e unhas bem tratadas, e com um caralho enorme e duro no meio das pernas, penetrando com força e vontade aquelas bucetas molhadas e depois esporrando no corpo e no rosto de outra mulher.

O hospital no qual trabalho, mantem uma excelente política de inclusão na contratação da mão-de-obra. Na ala de gastrenterologia (doenças do aparelho digestivo), tem um transexual lindo de rosto e de corpo, profissional sério e competente.

Quando nos encontramos pelos corredores, faço questão de cumprimentá-lo de forma efusiva e carinhosa.

Decidi convida-lo para almoçarmos juntos e conversamos sobre os mais variados assuntos. Nestas conversas, forma sutil falei da minha coleção de DVDs. As conversas avançaram bem, até que um dia tomei coragem de convida-lo para um happy-hour. Fomos para um barzinho bem legal, próximo do hospital.

Alguns dias depois, durante o almoço, eu o convidei para comer pizza e tomar vinho no meu apartamento. Acho que ele sacou as minhas pretensões e aceitou o convite.

Marcamos para a noite de uma sexta-feira, quando a nossa folga seria no sábado. Lá pelas oito horas ele chegou. Usava blusa vermelha, calça comprida preta e sandálias vermelhas. Começamos a beber vinho tinto e a bater papo, na segunda garrafa encomendei duas pizzas. Comemos e continuamos a tomar o tinto.

Após o jantar, já na sala, ele perguntou sobre a coleção de DVDs. Imediatamente esparramei os vídeos na sala e ficamos fazendo comentários sobre eles. Escolheu e pediu para assistir justo um com transexuais e mulheres.Animada coloquei o DVD e sentamos para assistir, ele tirou as sandálias. Eu usava um vestido bem soltinho. Mal o filme começou, sentamos mais juntos.

SENTI A SUA MÃO MACIA NA MINHA COXA E CONGELEI, ELE PASSAVA A PONTA DOS DEDOS NA MINHA PELE, BEM LENTAMENTE E COM OS OLHOS FIXOS NA TV. METEU A MÃO NO MEIO DAS MINHAS COXAS GROSSAS E FICOU ALISANDO, BEM DEVAGAR. AOS POUCOS CHEGOU NA MINHA CALCINHA BRANCA. NÃO AGUENTEI E COMECEI A BEIJA-LO NO PESCOÇO E NA ORELHA. ENFIEI A LINGUA NAQUELA BOCA DE DENTES PERFEITOS E FIQUEI CHUPANDO A LINGUA DELE, QUE RESPONDEU IMEDIATAMENTE.

ELE LITERALMENTE ARRANCOU A MINHA CALCINHA E METEU DOIS DEDOS DENTRO DA MINHA BUCETA ENCHARCADA. COMEÇOU A ME PROVOCAR: ERA ISSO QUE VOCÊ ESTAVA PROCURANDO, SUA SAFADA, SUA VADIA, QUER QUE EU CHUPE ESSA XOXOTA MOLHADA, QUER SENTIR A MINHA LINGUA DENTRO DESSA BUCETONA, QUER EU CHUPE ESSE GRELINHO DURO?
ARRANQUEI A BLUSA E O SUTIÃ E PASSEI A CHUPAR AQUELES PEITOSPEQUENOS, MAS DELICIOSOS. TIREI O VESTIDO E FIQUEI PELADA. ELETAMBÉM TIROU TODA A ROUPA. AO VER AQUELA PICA, TOTALMENTE DEPILADA ATÉ O SACO, SEM NENHUM PELO, INCLUSIVE NO CU, EU DELIREI.

EU DISSE: QUERO QUE VOCÊ ME CHUPE INTEIRA, QUERO SUA LINGUA NA BUCETA, NO MEU CU, QUERO ESSA PICA GROSSA TODINHA ATOLADA NA BUCETA.

FICAMOS UM TEMPÃO NAQUELA CHUPAÇÃO. DEPOIS ELE ABRIU BEM AS MINHAS PERNAS E COMEÇOU A LAMBER A MINHA PATA DE CAMELO COM UMA DELICADEZA QUE EU NUNCA TINHA SENTIDO. EU GEMIA E ME CONTORCIA, QUANDO ELE CHEGOU NO MEU GRELO EU NÃO AGUENTEI E GOZEI COMO NUNCA TINHA GOZADO ANTES.

PEGUEI CARINHOSAMENTE AQUELA ROLA, DE BOM TAMANHO E BEM DURA E CHUPEI COM VONTADE, DESCENDO ATÉ AS BOLAS E LAMBI ATÉ AQUELE CU DEPILADO. INICIEI A INFALIVEL PROVOCAÇÃO: VOCÊ QUER ME FUDER, QUER METER ESSA ROLA GROSSA NA MINHA BUCETA, NO MEU CUZINHO APERTADO, QUER ENFIAR ESSA PICA ATÉ AS BOLAS NA MINHA XOXOTA MOLHADA?

EU QUERO, E CONTINUOU, VOU METER ATÉ VOCÊ GRITAR SUA PUTA SAFADA, SUA VAGABUNDA GOSTOSA E BUCETUDA. ME FEZ SENTAR NO SEU COLO E METEU COM FORÇA NA MINHA BUCETA.

SENTI A PICA INTEIRA NA BUCETA, MINHA BUNDA ENCOSTOU NAS BOLAS. EU DISSE QUE QUERIA FODER AQUELA PICA, ELE PAROU DE BOMBAR E EU FIQUEI NUM SOBE E DESCE GOSTOSO NAQUELA PIROCAMOLHADA PELO MEU GOZO.

DEPOIS DE UM TEMPO NESSE VAI E VEM SACANA, PARAMOS E FOMOS TOMAR MAIS VINHO É ÁGUA. QUANDO RETOMAMOS A TREPADA, CHUPEI COM GOSTO E SENTI A ROLA DURA NA BOCA. VOCÊ QUER COMER O MEU CUZINHO AGORA, PERGUNTEI COM CARA DE PUTA SAFADA.

VOU ARREGAÇAR ESSE CU GRANDE SUA FILHA DA PUTA. ME FEZ DEITAR DE BRUÇOS NO SOFÁ E COMEÇOU A PASSAR A CABEÇA DA ROLA NO MEU CUZINHO, FICOU ALI UM POUCO E DEPOIS ENFIOU COM FORÇA. GEMI E GRITEI DE DOR.

FICOU ENLOUQUECIDO DE TESÃO AO METER NO MEU CU. FODIA COM FORÇA E PARECIA ESTAR EM TRANSE. GRITAVA: EU GOSTO DE DAR O CU, MAS TAMBÉM GOSTO DE FUDER UM CU GOSTOSO, TOMA NESSE CU SUA PIRANHA DO CARALHO, PUTONA, BUCETUDA, VOCÊ ESTAVADOIDA PARA ME DAR ESSE CU, NÃO ESTAVA. BATEU UMA SIRIRICA PENSANDO NA MINHA PICA NESSE CU, GOZOU NA SIRIRICA SUA PUTA.

DEPOIS DE ME COMER COM GOSTO, DISSE QUE IA GOZAR.

PARA MINHA SURPRESA E SATISFAÇÃO, ELE TIROU O PAU DO MEU CU,ME VIROU DE FRENTE PARA ELE E SENTADO SOBRE MIM BATEU UMA VIGOROSA PUNHETA. AQUELE E VAI E VEM FRENETICO NAQUELA VARA DURA E CABEÇUDA ME DEIXOU DOIDA. ESTREMECEU, URROU E GOZOU. ESPORROUTRÊS JATOS FORTES E BEM GROSSOS DE UMA PORRA BRANCA E QUENTE.

FIQUEI TODA LAMBUZADA DE PORRA, NA CARA, CABELOS, PEITOS, BRAÇOS E MÃOS. FINALMENTE DISSE: ERA ESSE BANHO DE PORRA QUE VOCÊ QUERIA SUA VADIA.

ERA MEU AMOR, RESPONDI, JÁ LAMBENDO A CABEÇA DAQUELA ROLA SUJA DE PORRA E ABRAÇANDO-O CONTRA OS MEUS PEITOS MELADOS DE PORRA.

Tomamos banho e ele se foi, aparentemente feliz.
Eu fui dormir, satisfeita e realizada com o COLEGA TRANSEXUAL.
MARIA FERNANDA

Deixe uma resposta