Dia no sexy shop

Olá pessoal, meu nome é Gustavo, mas as pessoas me chamam de Guto e hoje vou contar para vocês a minha experiência no sexy shop.

Eu tenho 24 anos e namoro desde os meus 15 anos com a Talita, eu sou alto com 1,88cm de altura, sou mais ou menos magro (Não tão gordo), minha pele é branquinha, tenho olhos castanhos e cabelos pretos e curtos. Sou um garoto bastante tarado, levo tudo pra base da putaria e sempre fico de olho nas moças na rua e em outros lugares, eu e a Talita temos uma vida sexual bem intensa, só que de uns meses pra cá parece que ficamos na mesma rotina, uma coisa que pode ter feito isso acontecer foi quando decidimos morar juntos.

Então um belo dia, Talita e eu tivemos uma pequena briga, o motivo de tal briga foi sobre sexo. Eu dizia pra ela que precisávamos experimentar coisas novas e Talita meio que dava de ombros, pra ela estava tudo certo entre nós e que durante tanto tempo de namoro as coisas na cama poderiam esfriar e que isso era normal. Discutimos e acabamos ficando sem se falar, Talita então decidiu ir pra casa de seus pais para esfriar a cabeça, estávamos em pleno domingo brigando igual a dois idiotas, ela foi embora e eu fiquei em casa sozinho, de noite vi alguns vídeos pornôs da internet e bati uma punheta gostosa até que dormir.

No outro dia, já com a cabeça esfriada decidi ligar para Talita, conversamos por horas e acabamos fazendo as pazes, pedir pra ela voltar para casa, mas ela disse que precisava ficar mais um dia na casa de minha sogra ajudando ela nos afazeres domésticos. Então desligamos o telefone e partir para o trabalho, trabalhei a manhã e tarde toda, liguei pra ela de tarde e combinamos de fazer algo legal na terça feira, quando desliguei o telefone pensei em algo para tentar acender nosso tesão na cama, por isso peguei um cartãozinho de uma sexy shop que tinha pego com um entregador na rua, vi o cartão e pesquisei o site da empresa e vi que o local da loja era pertinho do meu escritório, depois disso decidir ir nessa loja e comprar algo, o dia passou até que deu 16h30, eu saia as 17h mas meu chefe não estava no escritório, então desliguei meu computador, fechei a porta da minha sala e fui embora.

Durante o meu trajeto dei uma parada no meio do caminho, pois encontrei com um conhecido, depois disso partir pro meu destino. Deu exatamente 17h eu estava na porta da loja, o local era como se fosse um prédio pequeno, depois da porta eu tive que subi um lance de escada até chegar na porta do estabelecimento, uma porta de vidro, eu abrir e entrei, a loja era pequena, mas com muitos produtos e sem ninguém no recinto, decidir gritar:

– Oi, tem alguém aí?

Do nada sai de uma porta nos fundos da loja uma morenaça, muito da gostosa, ela usava um vestido preto curtinho e colado ao corpo, além de um generoso decote. Ela era um pouco mais baixa que eu, tinha um belíssimo corpo com seios médios, coxas grossas e um belo bumbum que dava pra ver pelo reflexo do espelho atrás dela. Quando ela entrou na loja e me viu foi logo sendo simpática:

– Oi tudo bem? Entra, pode vim

Eu sorrir e fui até o balcão da loja, cumprimentei ela e me apresentei, já ela retribuiu os cumprimentos e também se apresentou:

– Oi Guto, me chamo Larissa e sou a dona da loja, seja muito bem vindo

Eu agradecir e começamos a conversar um pouco, ela já foi logo me perguntando o que eu queria dali, eu meio sem graça fui logo me abrindo com ela e mostrando toda a minha situação com a Talita. A Larissa entendeu e começou a me mostrar produtos que poderia dar um upgrade na nossa relação, ela me mostrou os gelzinhos, me mostrou as fantasias e várias outras coisas, do nada Larissa leva um pequeno susto com a hora, já eram 17h30 e era a hora de fechar a loja, ela toda simpática foi logo dizendo:

– Já deu 17h30 e é a hora de fechar a loja, mas vou continuar te atendendo, tá bom

Eu fiquei meio sem jeito e disse:

– Não precisa, se é hora de fechar, fecha a loja

Larissa toda compreensiva respondeu:

– Eu sei que você tá querendo algo mais sensual com sua esposa e eu vou te ajudar, não precisamos ter pressa

Eu sorrir e disse que estava tudo bem, já Larissa sorriu de novo. Antes de voltarmos a conversar, ela foi até a porta da entrada da loja e a fechou, para que ninguém incomodasse nós dois, além disso ela colocou uma cortina na porta para que ninguém pensasse que a loja estava aberta, depois de fazer isso ela voltou até de trás do balcão.

Continuamos conversando e a conversa foi fluindo, parecia que éramos amigos antigos, os olhos de Larissa eram lindos e verdes e eu louco naquela morena, conversamos mais e num momento Larissa me perguntou se eu e Talita nos masturbavamos, eu fiquei sem jeito e respondi rapidamente que não, Larissa me deu uma boa olhada e retrucou a minha resposta, dizendo que eu batia uma punheta gostosa, com a mesma timidez de antes eu confirmei a informação dada pela Larissa e completei dizendo:

– Eu sim, mas Talita não

Larissa ouviu e me deu uma sugestão:

– Porque você não leva um consolo pra ela?

Eu rir e disse que não seria uma boa ideia, quando eu respondi isso Larissa foi logo falando que seria bom pra ela se conhecer, eu achei melhor não e Lari continuou com a sua opinião. Deu um momento que de tanto a gente falar sobre isso eu perguntei para Lari se ela usava um consolo:

– Você usa um consolo?

– Sim, eu uso sempre. – Respondeu Lari

Do nada nossa conversa ficou mais sacana, começamos a falar putaria um pro outro e o interesse começou a aumentar. Falei pra Lari que sempre fui safado, mas nunca trair Talita, já ela dizia que sempre namorou homens safados e que de vez em quando eles dividiam mulheres, eu ouvi aquilo tudo e imaginei cada coisa gostosa, até que num impulso eu falo pra Larissa:

– Eu tô cheio de tesão em você Lari

Ela deu um sorrisinho sacana e respondeu:

– Também estou em você

Nos olhamos e começamos a flertar um com o outro, até que Larissa veio com um papo diferente do que a gente estava tendo:

– Eu bem que poderia solucionar o seu problema com a sua esposa

Eu ouvir aquilo e disse:

– Como assim?

Lari então disse pra mim ir pra trás do balcão em direção a ela, fui e quando cheguei lá ela foi logo pegando uma das minhas mãos, ela pegou e levou até a parte de baixo do seu vestido, sentir a calcinha dela e algo volumoso dentro dela, olhei espantado para Lari e ela me falou:

– Você me disse que queria algo diferente na cama, quer experimentar isso aqui embaixo?

Eu ouvir e fui logo perguntando o que era, sem pudor nenhum Larissa levantou a saia do vestido dela, colocou a calcinha de lado e mostrou o seu pênis, depois disso descobrir que Larissa era uma travesti, quando eu olhei aquilo fiquei paralisado, nunca tinha visto uma trava e nem encostado num pau, ela sem vergonha foi logo dizendo pra experimentar ela, eu sem saber o que fazer não me mexi até que Lari pegou a minha mão de novo e junto com a dela começou uma punheta, eu nunca punhetei outro pau na vida e parecia que durante o ato eu gostava do que estava fazendo.

Não demorou muito e eu retomei as ações do meu corpo e tirei minha mão do pau dela, Lari ficou assustada com a rapidez que eu tirei minha mão e foi logo se desculpando, eu olhava pra ela e a timidez voltava, ela não parava de se desculpar, até que ela ficou frente a frente comigo e eu com o tesão que tava, fui logo dando um beijo na boca da gostosa, do nada a gente estava agarrados um no outro, Lari mesmo sendo travesti era uma delícia de moça e eu não aguentava ficar longe dela.

Passou uns 5 minutos, Lari com um tesão da porra foi tirando minha camisa, depois disso coloquei os seios dela pra fora do vestido e num impulso comecei a chupar aqueles peitos deliciosos, ao mesmo tempo Larissa gemia de tesão e coladinha em mim. Chupei bastante até que Lari me levou até a sua boca e nos demos um belo beijo, muita língua e baba, ao mesmo tempo do beijo estávamos nos esfregando um no corpo do outro, não demorou muito para Lari me encostar na parede, se ajoelhar na minha frente, abrir minha calça, colocar meu pau pra fora e com bastante tesão começar um delicioso boquete, eu delirava de tesão naquela boca invadindo meu pau duro, durante as chupadas Lari dizia que meu pau era bem saboroso e que poderia ficar assim a noite toda.

O boquete era intenso, Lari sabia muito bem o que estava fazendo, ela parecia uma atriz pornô de tão gostoso era seu boquete, eu gemia louco de tesão, não durou muito Lari se levantou e virou de costas pra mim, já de costas ela pedia pra mim tirar seu vestidinho, eu prestativo tirei o vestido e a deixei só de calcinha, naquele momento Larissa começava a rebolar aquele bumbum gostoso no meu pau, eu toquei nela na cintura e só sentia aquele balançado gostoso, eu atrás comecei a beijar seu pescoço, estávamos em êxtase, até que num sussurro Lari me disse:

– Você quer comer uma travesti?

– Quero muito

Ouvindo isso, Larissa levou uma de suas mãos até meu pau e começou a punhetar ele, eu ainda beijava seu pescoço até que uns minutinhos depois Lari me pediu pra levar ela até o balcão, me desencostei da parede e a levei pro balcão, no balcão Larissa se debruçou e deixou seu bumbum arrebitado, eu com tesão que estava agachei e tirei a calcinha dela, abrir seu bumbum e sem pensar comecei a chupar seu cuzinho, passou uns minutos até que eu levantei e coloquei meu pau duro na portinha da cuceta de Lari, com o tesao que ela tava foi logo jogando seu bumbum pra trás fazendo com que meu pau entrasse nela. Já dentro comecei a penetrar Larissa que gemia feito uma louca, fui aumentando as estocadas e explorando aquela gostosa, cheguei pertinho dela e aumentei a estocada, Lari gritava com muito tesão acumulado, estava bem gostoso até que Lari pediu pra mudarmos de posição.

Tirei meu pau da Lari e ela saiu do balcão, estávamos pelados um na frente do outro, ela foi em minha direção e pegou minha mão de novo e dessa vez sem timidez segurei seu pau, ele era pequeno e bem macio, Lari via aquilo e mordia os lábios de tanto tesão que ela estava, estávamos ligados um no outro, fui beijando ela e segurando a rola na minha mão. Depois disso, Lari me levou até o pequeno sofá que tinha na loja, sentamos de frente um para o outro, fui logo deitando e ela deitando sobre mim, nossos corpos grudados e nossos paus juntinhos, ficamos num amasso gostoso até que Lari pegou a minha rola e voltou a colocar em sua cucetinha, já na posição Lari começou a cavalgar na minha pica e eu olhava aquilo tudo com muito tesão, percebi naquele momento que Talita era passado e Larissa era o meu presente, só tinha olhos e pensamentos para Lari, ao mesmo tempo que ela cavalgava gostoso ela punhetava sua pequenina piroca, ela parecia uma funkeira de tanto rebolar na minha piroca e eu adorava, era o melhor sexo da minha vida.

Ficamos um bom tempo ali até que eu levantei e a beijei na boca, depois do beijo peguei Lari no colo e a deitei no sofá, ela estava de frente pra mim toda gostosa e com o pau duraço que eu não aguentei e fui saborear ela um pouco, Lari não acreditava no que via, mas mesmo assim me ajudou a chupa-la bem gostoso, abocanhei aquele pau gostoso e senti todo o gostinho da minha princesa, ela gemia e dizia que era o melhor boquete que ela tinha recebido, eu satisfeito chupei mais um pouquinho até que me levantei, ergui as pernas de Larissa, coloquei meu pau no cuzinho dela e comecei a fuder ela de novo, deitei sobre ela e voltamos a nos beijar na boca, eu enfiava devagarinho e com tesão até aumentar meu ritmo e fazer ela gemer de tesão, estávamos no mesmo pique, nossa foda era bem gostosa, entre um beijo e outro nos declaravamos um pro outro:

– Quero comer você sempre

– Quero ser sua Larissinha pra sempre também

Estávamos no ponto até que Lari e eu no meio de tanto tesão acabamos gozando juntos, eu gozei dentro dela e ela gozou na minha barriga, ficamos naquela posição um bom tempo, sem metidas, só beijos e carícias até que eu levantei e sentei no sofá, ela sentou no sofá do meu lado e ficamos ali mesmos, pelados e beijando a boca um do outro.

Ficamos mais um tempo e no meio de beijos, Larissa e eu conversávamos e uma dessas conversas Lari me perguntava se eu tinha me divertido e se era isso mesmo que ele queria como diferente na minha vida sexual, eu sem jeito respondi que quase isso, nós rimos e nos beijamos, do nada Lari foi deitando no sofá e me puxando pra cima dela, retomamos nosso amasso até que Lari pegou a minha mão e colocou em sua rola, eu animado voltei a punhetar ela, durante essa punheta não percebi uns avanços de Lari, ela estava indo em direção a minha bunda, do nada sentir um dedinho de Lari me penetrando, quando senti fui logo falando:

– O quê você tá fazendo?

Ela safadinha respondeu:

– Algo diferente

Eu fiquei confuso e convicto:

– Não quero

Larissa deu uma risadinha e perguntou:

– Posso chupar seu cuzinho pelo menos

Eu balancei a cabeça dizendo que sim e Lari me direcionou, ela falou pra mim ficar de quatro e debruçado no braço do sofá, ouvir as instruções e fiz, do nada Lari abriu minha bunda e começou a chupar meu cuzinho, sentir muito tesão e depois de uns 3 minutos de lambidas, virei o rosto pra Larissa e disse:

– Me come vai

Lari entendeu o recado, botou o pau duro em mim e começou a me penetrar, ela me segurava pela cintura e metia seu pau médio (ele duro) em meu cuzinho. Larissa começou várias estocadas que me fazia gemer e gritar de prazer, me sentir como se fosse uma mulher nos braços de Lari, ela ao mesmo tempo que metia em mim, dava vários tapinhas no meu bumbum, o que eu mais gostava naquilo tudo, uns minutos depois as metidas ficaram mais intensas e fortes e Lari continuava com p intuito de me deflorar, eu curtia aquilo tudo, minha primeira vez como passivo e com um mulherão como Larissa, as estocadas ficarem fortes e me fazia sentir muita dor, mas era uma dor gostosa, eu queria levar aquele pau, tava gostando de ser fudido, até que não aguentei e gozei no sofá dela, uns segundos depois Lari também gozou, ela me pediu pra virar pra ela, virei e nos beijamos de novo.

Depois disso vimos o relógio e já eram 19h30, um tempo depois nos deitamos no chão da loja e ela sentou de novo no meu pau, cavalgou gostoso e gozamos juntinhos. Quando acabamos essa terceira vez, Lari deitou sobre mim e nos beijamos, ficamos um bom tempo e acabamos dormindo no chão da loja, acordamos eram 05h30, depois disso fomos nos arrumar pra ir embora, mas com o tesao que tinha entre nós, começamos a chupar o pau um do outro, passou uns 5 minutos e gozamos um na boca do outro, nos arrumamos e fomos embora, liguei pro meu chefe e disse que estava doente em casa e não fui trabalhar. Depois desse dia me divorciei da Talita e estou namorando a gostosa da Larissa, a melhor mulher do mundo.

3 comentários em “Dia no sexy shop”

Deixe uma resposta