NASCI HOMEM E ME TORNEI MULHER

Olá, me chamo Palloma, mas não nasci mulher e sim me tornei mulher. Na verdade, eu sempre me senti mulher, desde sempre…irei aqui relatar minha história.
Na adolescência, eu já sentia que minha sexualidade era feminina, pois adorava me masturbar, usando calcinha e me imaginando uma garota sendo comida por um cara. Confesso que era delicioso, no entanto eu não tinha coragem de me assumir e reprimia meus sentimentos. Tinha vontade de dar meu rabinho, de mamar uma rola, mas não tinha coragem. Até que um dia, tudo mudou. Eu praticava vôlei em um clube próximo de casa e o instrutor era um homem na casa dos trinta e cinco anos, bem moreno, alto e atlético. Comecei a perceber que ele dava muito atenção para mim, mas até ai, nada de mais. Foi então, em um dia, já quase no final da tarde, após o treino, todos se foram ficando apenas eu e o treinador que aqui chamarei de Beto. Ele me pediu para ajudá-lo a guardar a rede e demais apetrechos do treino. Levamos tudo para um local do clube que era bem deserto. Entramos em uma sala e ele pediu para eu colocar as coisa bem no fundo da sala. Ele então fechou a porta e percebi que também passou a chave. Ele se aproximou de mim e sem aviso passou a mão na minha bunda. Eu gelei…senti um misto de espanto, raiva e…tesão! Me virei bruscamente e ele disse: “Que foi? Vai dizer que não gostou? Pensa que não sei que vc é um viadinho? Que tá afim de dar a bundinha?” Eu não sabia o que responder e então disse: “Eu nunca dei na vida!”. Ele ficou surpreso e respondeu: “É sério? É virgenzinho aindo? Hummm, então vou estrear esse rabinho hoje!”. Ele abaixou as calças e botou sua rola para fora e mandou eu mamar. Eu hesitei, mas ele disse para eu relaxar e que aquilo ficaria só entre nós. Tremendo, me ajoelhei, peguei aquela rola dura e quente na mão e lentamente me aproximei e comecei a lamber timidamente. Ele segurava minha cabeça, forçando de encontro com a rola dele e então abocanhei, pois se era inevitável, eu iria aproveitar e gozar. Mamei com gosto e deixei Beto louco de tesão. Ele então me jogou de bruços sobre uns colchonetes que estavam ali pelo chão, arrancou minha bermuda e veio por cima de mim, me prendendo com seu corpo. Ele cuspiu na mão e passou na rola e começou forçar a penetração. Eu gemia pois estava doendo e ele mandava eu relaxar e deixar ele me comer, que ia ser muito gostoso. Então a cabeça entrou no meu cuzinho e dei um grito e ele rapidamente tapou minha boca e começou e enfiar. Eu comecei a chorar baixinho enquanto ele fodia meu cuzinho virgem. Ele começou a enfiar devagar e as vezes dava uma parada para eu me acostumar e em seguida retomava as estocadas, que foram ficando mais fortes a cada momento. Logo ele estava metendo com força e velocidade e eu gemendo e a mão dele tapando minha boca para eu não gritar. Ele falava ao meu ouvido um monte de sacanagem. Eu sentia um misto de medo, vergonha e tesão, muito tesão. Então ele murmurou que ia gozar e em seguida deu um urro e senti sua rola ejetar seu leitinho quente dentro do meu cuzinho. Ofegante, ele ficou por cima de mim, todo suando. Beijou e mordeu minha nuca e perguntou se eu tinha curtido. Eu responde timidamente que sim. Ele sorriu e disse para irmos tomar uma ducha. No chuveiro, ele começou a me bolinar novamente e em seguida disse para eu mamar a rola dele de novo pois ia me dar leitinho. Obedeci e peguei sua rola na mão e comecei a punheta-la e quando ficou dura, botei na boca e comecei a mamar…notei que eu gostava daquilo, não só de mamar, mas de ser possuído por um macho. Enquanto eu mamava, ele mandou eu segurar o saco dele e massagear. Fiz como ele pediu e não demorou, e ele encheu minha boca com sua porra quente…eu fiquei sem ação e ele mandou eu engolir…fechei os olhos e obedeci…um pouco escorreu pelos meus lábios mas a maior parte eu engoli…tossi pois engasguei, mas nada de mais… Beto estava mais que satisfeito e disse que eu tinha futuro como putinho. Saímos do chuveiro, nos enxugamos e vestimos nossas roupas. Ele disse que guardaria segredo, mas eu teria que transar com ele sempre que ele quisesse. Eu aceitei. Ele então me disse que queria que eu fosse na casa dele no sábado pois ia me foder gostoso na cama dele. Ele me deu seu endereço e disse que ia me aguardar no sábado. Fui embora e minha cabeça estava a mil. Confesso que o convite dele e a expectativa de passar por aquela experiência novamente me deixava muito excitado. Mais tarde, em casa, fui me deitar e sentia meu cuzinho ardido e parecia que podia sentir a rola de Beto dentro de mim…passei um pouco de hipoglós no meu anelzinho e me deitei, mas a excitação era tanta que não conseguia pegar no sono…ficava lembrando Beto me pegando e me comendo e fiquei com tesão e me masturbei lembrando do ocorrido…queria ser dele novamente e não via a hora de estar com ele novamente…meu primeiro homem…me masturbei e gozei gostoso, murmurando o nome dele…Beto…Finalmente havia chegado o sábado tão esperado! Me arrumei, peguei o endereço que estava anotado em um pedaço de papel e fui…fiquei meio indeciso se ia ou não, mas por fim, já tinha acontecido e eu tinha gostado…por que não? Quarenta minutos de ônibus, eu cheguei ao bairro onde Beto morava e logo encontrei a rua e sua casa. Toquei campainha e um minuto depois ele abriu a porta e deu um sorriso ao me ver. Abriu o portão e eu entrei. “Pensei que você talvez não viesse” ele disse. “E por que eu não viria?” Eu respondi. “Sei lá” Ele respondeu rindo. Entramos na sua casa. Era um sobrado de dois quartos, sala, cozinha e banheiro. Casa simples, mas aconchegante. Ele pegou minha mochila e colocou sobre o sofá e me puxou para perto de si e me tascou um beijo, enquanto passava a mão na minha bunda…senti um arrepio gostoso e meu cuzinho piscou…eu queria dar pra ele de novo…muito e estava satisfeito de estar lá com ele…ele me conduziu até o andar de cima e fomos para seu quarto. Lá chegando, sobre a cama de casal, estava uma sacola…ele a pegou e me entregou dizendo ser um presente para mim…pediu para eu ir até o banheiro e experimentar…Fiz como ele pediu…entrei no banheiro, fechei a porta e olhei dentro da sacola e para meu espanto, era uma calcinha tanguinha rosa e um baby-doll que fazia par com ela…fiquei meio que sem ação na hora e ao ao mesmo tempo excitado também com a possibilidade de usar aquela lingerie…então me despi e em seguida coloquei a calcinha…era bem cavada e entrou na minha bunda…que sensação gostosa! Me olhei no espelho e havia caído muito bem…em seguida vesti o baby-doll e me olhei novamente no espelho…Beto ia pirar, com certeza! Voltei para o quarto…Beto estava nu, deitado na cama, apenas o abajur ligado…mas havia a claridade vindo da porta e ao me ver com a lingerie, ele deu um assobio e seu pau deu sinais de acordar…ele sentou-se na cama e me chamou para perto dele e mandou eu ficar de costas…passou a mão na minha bunda e disse: “Caralho, que delicia vc ficou! Vou te fuder muito e bem gostoso! Esse cuzinho é meu agora!”. Ele me pegou e já me fez cair de boca no seu pau e mamei com vontade…depois ele, sem tirar minha calcinha, puxou ela de lado e comeu meu cuzinho…naquele dia variamos bastante…ele me comeu de quatro, de ladinho…eu montado nele…ele me pegou de frente, tipo papai-mamãe e foi muito gostoso…eu me senti uma mulherzinha de verdade…por fim ele gozou comigo de bruços e ele por cima de mim…eu havia curtido muito todas as posições, mas a partir daquele dia não poderia faltar o papai-mamãe… e assim foi se passando o tempo e ficamos juntos e sempre discretos. Certo dia, Beto me avisou que teria que viajar para o Rio (ele é carioca) para resolver algumas pendências com a ex-mulher (sim, ele foi casado e tinha filhos) e disse que voltaria dentro de 02 meses…fiquei triste, pois ele havia me viciado em sexo e agora me deixaria 02 meses na mão…mas eu não ia aguentar todo esse tempo e comecei a ciscar por ai para ver se encontrava algum ficante para me comer…foi ai que certo dia, passei perto de uma construção inacabada e vi na entrada um negro alto que era um tipo de vigia do local. Passei por ele e parei e como quem não queria nada, perguntei se aquela obra estava parada. Ele educadamente respondeu que sim e eu disse que gostaria de dar uma olhada, pois estudava para entrar em uma faculdade de arquitetura e tinha interesse em conhecer uma obra…o cara ficou meio desconfiado a princípio, mas depois concordou e me convidou para entrar. Ele foi me mostrando e quando estávamos bem no interior da obra eu fiquei arrependido daquilo e decidi ir embora…mas o cara me pegou pelo braço e disse se eu não queria ficar mais um pouco…eu disse não…ai percebi que estava cheirando a pinga e maconha…ele me agarrou e bem…pode-se dizer que fui estuprado…ele me comeu com força e me deu uns tapas fortes quando tentei resistir…logo parei de lutar e me entreguei…ele me comeu por quase três horas…ele então confessou que não era nenhum vigia…tinha saído da cadeia a pouco tempo e estava fazendo hora por ali e que estava a fim de comer uma putinha e estava ali de tocaia, mas como eu acabei aparecendo, decidiu que iria me comer mesmo…antes de poder ir embora, ele me enrabou mais um pouco e depois me liberou…corri para casa e fui para o chuveiro, pois estava com o cheiro de pinga e suor daquele tarado…bom, mas eu havia procurado e quem procura acha…enfim, comecei a entrar em salas de bate-papo na internet e conheci alguns caras e acabava marcando com alguns e transava…alguns em carros, outros em hotéis baratos e mesmo moteis…foi então que eu percebi que gostava mesmo daquilo…mas eu não me sentia um gay e sim uma mulher…eu era uma mulher em corpo masculino…eu queria me sentir mulher…Beto fazia me sentir assim…como era bom…o outros caras, alguns me faziam me sentir mulherzinha, outros nem tanto…mas o importante era que eu me sentia assim…Por fim, passado dois meses, Beto voltou e me encontrei em sua casa…ele me comeu gostoso e ficamos horas transando, no entanto, ele tinha uma notícia chata…iria voltar em definitivo para o Rio pois iria reatar com sua ex-mulher…fiquei triste, mas o que poderia fazer? Eu estava gamado nele…tinha sido meu primeiro homem…bom, mas respeitei… e ele se foi…continuei transando com outros carinhas, mas foi difícil esquecer Beto…mas logo minha vida iria mudar e mudar muito!
pallomasensual@gmail.com

Leia mais contos

Compartilhe com seus amigos:

Deixe uma resposta