Finalmente convenci minha mulher a me fazer de corno (cuckold) – Conto Erótico Privê

Existem vários tipos de fetiches diferentes, e eu acho que que o fetiche mais comum entre os homens é o Desejo de ser Corno… quem homem não quer ver sua mulher sentando na vara de outro macho, te chamando de corno manso… só de pensar nissso eu já fico num puta tesão

Depois de muitos anos insistindo minha mulher a me fazer de corno e de quase desistir desse meu sonho, eu finalmente descobri uma técnica altamente poderosa que tem o poder de fazer qualquer mulher, até mesmo as mais santinhas, a te chifrar, e te fazer um corno manso numa deliciosa transa que você nunca mais vai esquecer…

Boa noite, me chamo Paulo e venho contar uma história verídica sobre meu casamento. Sempre gostei de histórias de Cuckold, adorava a ideia de um dia ser um corno bem manso quando namorava mas nunca tive a resposta que queria, ou elas terminavam logo comigo ou perguntavam se eu era gay, nenhuma namorada nunca entendeu que era apenas um fetiche.

Até que conheci minha esposa atual, Luceia, estamos juntos a 6 anos e em 2017 tomei coragem e propus a ela essa minha vontade de ser corno. Ela não gostou fiquei anos tentando sem sucesso, já estava quase tirando essa ideia da cabeça e ter que viver sem realizar esse meu sonho…

Até que depois de muita frustração fui pesquisar na internet se eu estava fazendo algo errado não achei nada, até que comecei a pesquisar inglês e descobri que existe uma técnica muito poderosa capaz de fazer qualquer mulher, até mesmo as de igreja a dar pra outro cara na sua frente

Fiquei impressionado com a técnica e com os relatos de homens falando que finalmente conseguiram a ser cornos e resolvi testar, afinal, era minha última esperança

Bom, semana passada sem nada pra fazer por conta da crise do coronavírus resolvi testar com minha mulher tal técnica, depois de 10 minutinhos conversando com ela fiquei assustado quando ela falou que não ligaria nem um pouco se fossem mais de dois.

Nessa hora eu pensei: “num pode cê, será que realmente funciona?…”

Acabei topando e estimulando a sua idéia. Afinal, eu finalmente iria realizar meu sonho de ser corno.

A seguir deixo vocês lerem o relato escrito pela minha esposa que se refere a primeira de várias aventuras que fizemos:

“Tenho que reconhecer que o Paulo ficou com uma cara de assombrado quando falei que queria transar com mais de um homem ao mesmo tempo e muito mais quando lhe disse para não se restringir a 1 homem.

O Paulo me pediu então para me preparar para o dia 17 de abril (que daria na sexta feira). Os dias que se passaram entre o dia que ele me falou isto e o dia em questão foram intermináveis, eu estava cada vez mais ansiosa: quantos homens seriam? Eles seriam bem dotados (o pau do Luis tem 19cm, apesar de ele teimar que são 21)? Será que estariam as minhas expectativas? Saciariam meu fogo? Bom estava prestes a ter a respostas e estas perguntas.

O dia 17 foi uma tensão só. Quando chegou a noite, o Paulo me falou para me vestir sem calcinha e para me preparar. Jantamos em um restaurante japonês e depois fomos a um apartamento de um amigo dele que estava trabalhando na Europa e havia deixado o Paulo cuidando de tudo. O apartamento é muito parecido com um loft e tem uma sala bem ampla. Quando cheguei lá percebi que o Paulo havia escolhido o lugar a dedo.

Havia três colchões de casal no meio da sala e no meio alguns vibradores dispostos. Luis estava naquele momento totalmente ansioso e excitado com a possibilidade da fantasia dele ser muito mais do que esperava. Ele me disse que como era a minha primeira vez, queria que qualidade assegurada e que por isso havia contratado os serviços de uma agência de garotos de programa de luxo (sim, não ia ser ninguém conhecido).

Quando eu perguntei o numero de homens, ele me respondeu o numero mágico: 2. Disse que adoraria ver eu chupando um cara, batendo punheta pra outro e sendo tripamente penetrada (cú, buceta e boca).

Nossa, gelei. E ai o interfone tocou e o Paulo falou que os garotos estavam subindo. O Luis então me pediu para por uma venda nos olhos, pois queria que eu não visse os garotos chegando e se preparando. Acabei topando . . . Fiquei sentada no meio de um dos colchões esperando. O Luis tapou os meus olhos e um minuto depois a campainha tocou.

Ouvi o Paulo falando com os garotos coisas do tipo: “eu quero que vocês comam ela sem dó”, “podem arrombar o cu dela” e assim por diante. Aquela espera estava me torturando e finalmente senti que os garotos estavam se dispondo ao meu lado.

Quando o Paulo falou que eu podia tirar a minha venda tive uma das maiores surpresas de minha vida. O que mais me assombrou foi ver os corpos e pintos daqueles belezas. Os corpos eram fabulosos, mas o pintos. . . Bom estes eram fenomenais!! A primeira vista todos pareciam que tinham potencial para ter mais de 20 cm (ainda não estavam completamente duros) e bastante grossos. 

O primeiro que avançou em mim foi o Alexandre, que era um negro que tinha um pinto cheio de veias saltadas. Ele mal se apresentou e guiou a minha cabeça para o seu pinto. Senti o pinto crescendo mais e mais na minha boca. A sua cabeça parecia um cogumelo e a base parecia tão grossa quanto a uma lata de refrigerante. Sem brincadeira, o Alexandre devia ter no mínimo 25 cm.

Naquele momento comecei a sentir varias mãos mexendo nos meus peito e outras começaram a brincar com a minha bucetinha que já estava totalmente enxarcada. Enquanto estava chupando o Alexandre, o Bruno me oferecia o pinto dele também (este devia ter uns 20 cm de pinto). Fiquei então alternando os dois e neste instante eles me colocaram de quatro.

Aquilo estava muito bom. Foi ai que o Alexandre enfiou seu pau na minha bucetinha. Ele enfiou tão rápido que ate lagrimas saíram dos meus olhos. O pau dele era muito grosso e eu sentia ele batendo na entrada do meu útero.

Neste momento reparei que o Paulo estava louco de tesão e adorando ver os meninos me fudendo, foi o máximo. Por uns cinco minutos fiquei chupando o Bruno ate o momento que ele sentou no sofá e pediu que eu ficasse de pé com a bunda virada para ele. Quando me levantei, fiquei de pé de bunda para ele, me curvei um pouco e aproveitei a oportunidade para bater uma pro meu marido.

Foi ai que vi o que me esperava. O Bruno começou a lamber o meu cuzinho (que apesar de não ser virgem ha muito tempo, jamais havia sido penetrado por algo assim) e dois minutos depois ja estava colocando dois dedos no meu cu. Foi ai que ele abriu a minha perna e falou para eu ir sentando no pau dele. Colocou a ponta da cabeça na portinha do meu cu que apesar de já estar piscando para caralho não se abriu o suficiente. Na segunda tentativa, acho que metade da cabeça entrou e eu mau podia conter a minha respiração.

Neste momento os meu marido colocando as maões sobre meus ombros forçando a sentar sobre o pau imenso do Bruno. Apesar de falar não, eles não pararam e não pude combater a pressão que me obrigava a sentar. A dor que eu estava sentindo era enorme e deliciosa, aquele pau literalmente estava me arrombando.

Realmente fiquei impressionada quando eu senti a minha bunda bater na perna do Bruno (jamais imaginei que o meu cu fosse tão profundo). Fiquei recobrando a respiração e limpando as minhas lagrimas por cerca de cinco segundos, quando o Bruno começou a mexer o seu pinto. Foi ai então que me dei conta que eu realmente estava sendo uma verdadeira putinha.

Eu é que comecei a subir e descer a minha bundinha como se estivesse fazendo um agachamento. Aquilo começou a ser muito bom e o pau do Bruno estava muito grosso. Quando me dei conta já estava novamente chupando pintos e batendo punhetas.O Bruno continuava a bombear o meu cu quando o Alexandre me pediu para eu me deitar de costas (sobre o Bruno). Foi aí que realmente senti a diferença entre ser duplamente penetrada por vibradores e por carne humana.

O Alexandre pôs a pica dele quase inteira na minha bucetinha e começou a bambeá-la. Isto acabou limitando a minha liberdade de subir e descer no meu agachamento e conseqüentemente a liberdade do Bruno de usar todo o seu comprimento descomunal dentro do meu cuzinho. Ficamos assim por uns três minutos

Obviamente eu estava chupando meu marido nesse momento e eu pela primeira vez na vida estava com duas cabeças de pinto (uma branca e uma negra) na minha boca.

Nós ficamos umas 3 horas transando, eu sempre  tive receio dessas coisas, mas pra falar a verdade quero mais…

Eu estava arrasada, arrombada e porrada, mas devo reconhecer que amei fazer meu marido de corno. Depois desta experiência o céu virou o limite. Paulo e eu tivemos (e continuamos tendo) muitas outras historias. Algumas excitantes com outras mulheres, algumas com mais homens (sim é possível), outras com casais abertos e dispostos a aventuras”.

Bom, esse foi o relato da minha esposa, só tem uma coisa que ela não sabe nesse história toda, a técnica que eu usei para manipular ela a me fazer de corno

E confesso que foi melhor que eu esperava, eu tinha vontade de ver ela transando com 1 macho, mas me minha grata felicidade vi logo com 2, e não me arrependo nem um pouco disso, aliás, depois disso fizemos várias outras vezes e o melhor, ela gostou, eu não precisei mais usar a técnica com ela

Me deu um puta tesão ver minha puta dando pra dois machos, me chamando de corno, de viado, foi o melhor fetiche que eu já realizei em minha vida

Isso tudo graças a técnica que eu aprendi

Mas eu não vou contar a técnica aqui porque se não o conto vai ficar enorme, vou deixar um link abaixo caso você queira conhecer a técnica Segredo de Manso

E não se preocupe porque eu já traduzi ela para você entender e aplicar com sua esposa ou namorada

Clique no link abaixo se você tem o desejo de ser corno

Leia mais Conto Eroticos

Compartilhe com seus amigos:

6 comentários em “Finalmente convenci minha mulher a me fazer de corno (cuckold) – Conto Erótico Privê”

Deixe uma resposta