Prenúncio de um incesto ” irmã”

O que aconteceu entre minha irmã e eu foi simples e nossa convivência determinante para que o incesto acontecesse.
Hj tenho 50 anos e minha irmã Celia 53.
Somos filhos de família convencional, porém nossos pais sempre foram muito reservados qdo se tratava de sexo, sexualidade e nudez.
Nossos pais trabalhavam durante o dia e chegavam em casa no final da tarde ou início da noite.
Nós, estudávamos no período da manhã, ficando com a tarde livre para almoçar, fazer as tarefas escolares e da casa e algum lazer.
Era a forma de nossos pais evitarem que ficassemos na rua enquanto estavam fora.
Eu acabara de entrar no ginásio e começava a a ter assuntos sexuais com os meninos e também aquelas brincadeiras de passar a mão na bunda um do outro para fazer provocação.
Célia, já era mais esperta e sempre foi mais atentada, já dava uns beijinhos nos meninos.
Nesse tempo embora já observasse a beleza feminina, ainda não sabia que se tratava de atração, naquele tempo assuntos sexuais eram muito confuso pra mim.
Numa tarde no meio daquelas brigas de irmãos eu fiquei tão nervoso que atolei a mão na bunda dela para deixa-la irritada. Kkkk….
Puta da vida ela correu atrás de mim para me bater pq qdo ela me batia eu não revidava, ou meu pai me mataria de pancadas se ela contasse.
Então descobri o que fazer para provoca la ao extremo e comecei usar isso quase que diariamente contra ela sem saber pra onde tal provocação estava nos levando.
Célia sempre estava de shorts, saia ou mini saia que era a moda da época.
Numa dessas ocasiões estavam algumas colegas dela em casa, ela vestia uma mini saia toda com babadinhos.
Na ausência de meus pais a safadinha tinha o hábito de enrolar a cintura para que a saia ficasse mais curta e assim mostrar mais de suas coxas torneadas e quase a polpa da bunda, grande e redonda.
Ela abaixou com a bunda virada para o meu lado para por algo numa mesa de centro da sala, instintivamente, eu passei a mão na sua bunda, porém desta vez, passei da xoxota até a bunda.
Minha irmã ficou super envergonhada, me olhou com cara de raiva e mandou eu ir para o quarto ameaçando contar para minha mãe.
Percebi que desta vez ela falava sério e fui correndo.
Quando as colegas foram embora ela foi até o quarto e começou a me explicar porque não poderia fazer aquela brincadeira na frente de alguém.
Percebendo que eu era totalmente inocente ela ainda pegou uma revista de foto novela porno que estava escondida no guarda roupas de meu pai e começou a me mostrar e descrever o que estava acontecendo e acrescentou que eu não deveria contar aos nossos pais.
Concordei prontamente.
No outro dia, ao chegar da escola ela perguntou se eu fiquei com muito tesão em ver aquela revista e se eu queria ver novamente.
Eu disse que sim.
Vendo a revista ela começou a massagear meu pinto, que logo endureceu e me fez entender de fato o que era tesão.
Ela pediu para ver meu pinto e quando eu mostrei logo ela veio pegando e começou a masturbar até que eu gozei.
Foi minha primeira masturbação e gozada pois eu nem sabia que aquilo era possível eu era cabaço e ingênuo mesmo.
Ela me perguntou se eu queria ver sua xoxota,claro que sim neh….
Ela mostrou e eu confesso que achei feia e senti nojo.
Porém ela começou a se masturbar e depois pediu que eu continuasse.
Ela ia dizendo como eu deveria fazer, gemia, me corrigia, punha sua mão sobre a minha até que gozou….
Então ficou deitada no sofá da sala e eu muito confuso com as sensações e tudo que havia acontecido.
No outro dia ela me propôs tomarmos banho juntos, fiquei com vergonha mas ela insistiu um pouco e eu aceitei porque entendi que ia ganhar uma punheta.
Tiramos nossas roupas e lembro que quando vi seus peitos fiquei louco para chupar.
Creio que com o assunto tesão, foi a primeira vez que meu pau subiu sozinho.
Entramos embaixo do chuveiro e ficávamos nós esfregando um no outro, nossa como isso é bom….
Eu alisava seu corpo, sua bunda, e comecei chupar seus peitos.
Ela me masturbava e de repente se abaixou de frente para meu pinto e começou a chupar.
AFFF….
Tinha subido um nível no sexo….
Era melhor que punheta e ver o pinto entrando e saindo da boca me deixava louco até que gozei e ela pediu que eu fizesse o mesmo em sua boceta.
Me recusei, pois senti nojo, naquela época as bocetas ainda eram peludas e eu achava que deveria ser fedida e ter gosto ruim…. Kkkkk…..
Ela disse que se eu não fizesse ela nunca mais “faria comigo”.
Eu relutei, mas ela sentou na beira do vaso sanitário nua, molhada e abriu as pernas me obrigando a experimentar. Disse que se eu não gostasse poderia parar.
Eu fiquei de gatinho e fui lamber bem devagar ainda relutante.
O cheiro era bom, o sabor também, beleza, continuei e ela dizia o que queria que eu fizesse e logo que comecei pegar o jeito ela levantava o quadril do vaso , forçando para cima se contorcendo com o corpo ainda arqueado para trás e segurando minha cabeça contra sua xoxota enquanto eu queria chupar mais e mais até que ela gozou.
Ficamos várias tardes nesse nível era muito bom, nem saíamos na rua após chegar da escola ou recebíamos colegas em casa.
Porque quando minha mãe chegava as tarefas tinham que estar prontas inclusive o jantar.
A vontade de meter cresceu em ambos e o inevitável aconteceu.
Esse dia ela mudou a rotina, não fizemos no banheiro, mas sim na sala depois do banho.
Eu a chupei primeiro já sabia como ela gostava e chupava com vontade quando ela começava se contorcer e forçar minha boca em sua xoxota eu chupava com mais força e remexida os dedos por dentro de sua vagina com mais intencidade, pois sabia que ela estava para gozar.
Após gozar me deitou no sofá e começou a mamada então de repente parou de mamar ficou por cima de mim segurando meu pau e enfiou na xoxota…

Que merda!

Duas ou três sentada e eu já gozei….
A melhor sensação que senti na vida acabou em 10 segundos.

Ela disse que eu não deveria ter gozado dentro, conversamos e no outro dia começamos tudo de novo.
Então dessa vez ela se deitou de bruços e guiou meu pau em seu cuzinho e disse que até eu aprender a me controlar só poderia meter ali.
Como era bom, ela nem lubrificava, e passamos a fazer anal em várias posições até que eu aprendi a me controlar.
A gente passou a meter todo dia fazendo coito interrompido, as vezes a noite enquanto nossos pais dormiam e até matavamos aula para ficar metendo o tempo todo.
Logo ela começou a tomar anticoncepcional e deixar eu gozar na buceta também .
Mesmo namorando com outras pessoas continuamos transando até próximo de seu casamento aos 22 anos mas não com tanta frequência.
Depois também me casei tivemos filhos.
E temos até hoje essa boa lembrança das loucuras que fazíamos para transar escondidos ou em motéis.
Célia e divorciada e continua linda.
Eu também me divorciei após anos casado.
Hoje resolvemos tomar um choppinho, falar das lembranças e acabamos escrevendo nossa história, o que está nos deixando muito excitados
😍😜

Compartilhe com seus amigos:

Deixe um comentário