tal pai tal filha

Quando Mércia descobriu a bissexualidade do marido, resolveu dar um tempo na relação pois queria preservar Marli, única filha do casal que ainda era muito jovem, e numa separação consensual se tornaram bons amigos.
Então ele foi morar numa chácara, a cerca de cento cinquenta quilômetros de sua casa , e mantinham contato, pois Marli era muito apegada a ele, suas visitas eram constantes e nunca deixou de demonstrar todo o afeto e carinho que sentia por ela..

Dez anos depois após Marli ter se casado é que foi revelado este lado pervertido do seu pai , mas adulta e consciente esclarecida ela não dava a mínima importância para tais fatos, e o idolatrava ainda muito mais.
E Marli sempre que podia ia visita-lo, e nunca tocara neste assunto com ele, e mil vezes se perguntava como seu pai com aquele jeito másculo poderia ter relacionamentos homossexuais, isto a intrigava e sentia um misto de curiosidade todas as vezes que o via, e algo estranho a deixava muitas vezes encabulada.
No ano seguinte ela engravidou e após ter o bebê suas visitas ficaram cada vez mais escassas, tornando-se raras.
Aos vinte e três anos ela se tornara uma encantadora mulher com um corpo que parecia ter sido moldado e seus cabelos cor de mel aqueles olhos azuis cheios de mistérios suas pernas compridas torneadas a bunda apetitosa e seus seios exuberantes, com certeza ela deixara de ser menina para ser uma mulher responsável e uma mãe abnegada.
Ao aproximar o final de ano bateu uma saudades, então , ela resolveu fazer uma surpresa para seu velho, já que seu esposo ficaria fora por mais de dez dias, então ela deixou seu bebê que já estava caminhando aos cuidados da avó e foi passar o final de semana com seu pai como a muito ela não o fazia.
Logo ao chegar percebeu que seu pai tinha visitas pois três carros estavam no caminho que levava ate a casa na chácara , caminhou por cem metros meio que se ocultando pois queria surpreende-lo.
O som estridente de um rock rol metálico que seu pai tanto curtia soava dentro da casa , ao chegar na porta ela parou e ficou estática com a cena que deparou.
Era algo espantoso mas nenhum detalhe escapou do seu olhar e suas retinas gravaram aquilo como se fosse um filme, um cara deitado de barriga pra cima tinha a bunda sobre o braço do sofá suas pernas estavam levantadas e seu pai estava dentro dele atrás de seu pai que quase estava de quatro um negro enorme com jeito de boxeador peso pesado enrabava ele que erguia o corpo e punhetava o cara que estava debaixo dele esfregando o pau em sua barriga enquanto revezava as chupadas nos dois paus que estava a sua frente que tinhas seus sacos mamados pelo cara que estava em baixo dele do lado um outro negro sentado em uma poltrona bebericava num copo se masturbando admirando a cena, e os gemidos eram intensos , foi seu próprio pai que percebeu sua presença e tentou se desvencilhar daquela posição mas o negro o subjugou e castigou ainda mais seu rabo impedindo dele se mexer ele gemeu choroso sentindo as estocadas profundas dentro dele.
Marli se afastou e saiu dali como se estivesse embriagada caminhou tropeça ao seu carro deu partida e saiu levantando poeira.
Mas alguns metros a frente parou pois sentiu que estava desfalecendo seu corpo estava suando frio e tremulo e seu coração acelerado .
Encostou na estradinha soltou o cinto, parecendo estar envergonhada, sem perceber soluçava chorosa, introduziu sua mão entre as pernas tocou seu grelo e se masturbou sentindo um gozo profundo tomar conta do seu ser todos seus pelos estavam arrepiados balbuciava palavras desconexas, sorrindo e chorando ao mesmo tempo .
Sentiu-se envergonhada quando percebeu seus mamilos entumecidos ásperos pontudos se esfregando involuntários no tecido da sua blusa sentiu um calor abrasador por todo o corpo e chorou compulsivamente num misto de êxtase e desejo , como uma autômata , instintivamente lambeu seus dedos encharcados com sua seiva sentiu o gosto adocicado do mel que escorria da sua buceta, deu um uivo animalesco manobrou seu veículo e retornou possessa e adentrou novamente para o lar do seu pai sentindo sua vulva em brasa e um desejo se aflorava por todo seu corpo fazer parte também daquele sanduiche.

Compartilhe com seus amigos:

2 comentários em “tal pai tal filha”

  1. Sou casado e temos uma filha carla de 13 anos minha esposa tem 30 anos eu 32 anos moramos em um sitio onde trabalho de caseiro e aqui vivemos sem roupas pois curtimos naturismo. O meu patrão é o fernando ele tem 50 anos e sempre vem aqui finais de semana para descansar. E era um sábado e meu patrão estava aqui no sitio e ele ficava igual agente sem roupas! E agente estavamos sentados na varanda bebendo e conversando e minha esposa safada sentada no colo do fernando. E minha filha no meu colo, e depois fomos todos transar juntos no quarto e meu patrao adorou.

  2. Sou casado porém não tenho filha e nem sobrinha mais eu adoro ouvir ou ver vídeos e histórias reais desse tipo principalmente entre pai e filha padrasto com a enteada ou tio com a sobrinha se alguém quiser compartilhar suas histórias reais comigo pode me chamar no ZAP (062) 9 93 83 46 22 OBS MINHA ESPOSA NÃO SABE QUE EU CURTO ISSO

Deixe um comentário