Um dia no sítio

Bem, tudo aconteceu quando eu estava prestes a completar 18 anos. Eu sou carioca, moreno, 1,84 e corpo malhado de anos de Capoeira. Eu sempre fui um moleque bem safado, espiava as pessoas transando, mas só a partir desse dia é que eu fiquei viciado em boquete. Eu perdi a virgindade com 12 anos e por isso eu estava sempre a procura de uma boa sacanagem. Mas o que aconteceu não foi nada planejado, aliás foi bem inesperado. Em um final de semana o meu pai insistiu pra que eu fosse com ele para o nosso sitio pois já faziam alguns anos que eu não ia pra lá. Eu achava chato e sem nada pra fazer, mas meu pai insistiu muito e disse que seria o aniversário do seu João, que era o caseiro e amigo de infância do meu pai. Eu não sou filho único, mas sou o único homem dentre os quatro filhos dos meus pais. Eu tenho uma irmã um anos mais velha e outras duas mais novas e por isso eu já sei, quando tem alguma festa o meu pai sempre quer que eu vá pra exibir o filho macho dele rsrsrsrs Sabendo disso eu não tive escolha e fui!
Ao chegarmos lá eu vi que os filhos do seu João estavam grandes, pois já havia alguns anos que eu não os via.
Tinha o Gabriel de 14, o João Pedro de 12 e a Raquel de 10 o que eu só soube das idades depois do ocorrido.
Bem no dia seguinte foi churrasco o dia todo, com vários amigos comendo e bebendo, mas sem ninguém se embriagar. Por volta das 16h só haviam uns poucos amigos, só os mais chegados amigos de infância dos meus pais. Nessa hora o seu João chamou todos para irem pra debaixo de algumas árvores que ficam logo na entrada do sítio é que faz uma sombra enorme e já tem os banquinhos e a mesas lá. Todos foram mas eu falei que iria ver tb e tirar um cochilo.
Todos foram e eu fiquei, de repente eu acordo e vejo a Raquel do meu lado sentada no braço do sofá. Eu não dei muita bola pra ela, mas afastei os pés pra ela sentar melhor. Ela começou a pichar assunto mas eu só respondia sim ou não! Eu não queria conversar com aquela pirralha.
Até que as coisas mudaram quando ela disse. Diego, vc deixa eu fazer uma coisa? Eu perguntei, o que?
Ela disse novamente, uma coisa que eu vi?
E eu sem entender nada e sem maldade nenhuma perguntei de novo. Fazer o que? Ela chegou mais perto e disse, uma coisa que eu vi meus irmãos assistindo. Eu já fiquei meio sem ação e perguntei de novo. Que coisa?
Ela esticou a mão e pegou no na minha pica e disse. Deixa eu vê como é um macho? Eu tirei a mão dela e falei que ela estava maluca e ela falou que tocava siririca o dia todo mas que nunca tinha visto um pica de perto e nisso ela espertou meu pau de novo, só que dessa vez ele já estava dando sinal de ereção. Quando ela percebeu que ele já não estava mais mole, ela segurou com mais força e pedindo pra eu deixar ela vê. Eu deixei ela sentir um pouco por cima da minha permuta e tirei a sua mão novamente. Ela instou pra pegar de novo. Eu disse só mais um pouco, por que vc é muito novinha. Achando eu que ela tinha uns 13 anos, já que ela já tinha peitinhos.
Ela começou a acariciar o pica e pediu pra vê fora da roupa, nessa altura meu pau já estava duro feito Rocha e eu só balancei a cabeça que sim, ela desceu do sofá e ficou de joelhos na minha frente, puxou a minha bermuda e eu fiquei só de cueca e da janela da sala eu via todos conversando em baixo daquela árvore e seu João nem imaginava o que eu a sua filhinha estávamos fazendo.Ela alisou o meu pau mais um pouca por cima da cueca mas logo quiz puxar pra vê logo a minha pica dura. Quando ela puxou a cueca que ela viu saltar uma piroca de 21cm grossa e coma as veias cheias e pulsando, os olhos dela chega brilharam e ela falou… é lindo, muito melhor do que eu imaginava. Ela apertava a pica com as duas mãos e falava que era bem quente. Ela ficou punhetando minha pica por uns cinco minutos e depois dedou pra experimentar, eu já entregue a situação disse que sim!
Ela começou a lamber aquela pica dura da cabeça até o sacie babava muito. Ela dizia que o sonho dela era fazer aquilo, porque ela já se masturbava desde muito cedo. Ela começou a tentar colocar a pica na boca mas era muito grossa para a sua boquinha, mas aos poucos ela foi pegando o jeito é começou a abocanhar meu pau como uma leoa faminta.Ela viu muitos filmes e tentava fazer igual, e o pior é que a danada tinha talento pro negócio.
Ela me fez um boquete como nem uma das garotas mais velhas com que eu saí havia feito. Eu gemia gostoso de tanto prazer e ela se masturbava com a pica na boca e de repente ela começou a se tremer toda… sim ela estava gozando de tanto prazer que ela estava sentindo em fazer aquele boquete. Ela gozou e continuou me chupando até que eu disse que iria gozar, eu avisei achando que ela iria fazer como as outras garotas que me chupavam, não hora que eu iria gozar elas sempre tiravam o pau da boca, mas a Raquel não, ela era diferente, especial! Eu avisei que iria gozar, meu pau já latejava em sua boca, mas ela não quiz tirar da boca, e eu gozei feito um cavalo. E ela chega revirou os olhos, quando sentiu o gosto da porra em sua boquinha.
O que ela não conseguiu engolir, escorreu pela pica e sujou a minha barriga escorrendo para o meu saco.
Assim que ela sugou até a última gota de esperma que saiu da pica, ela começou a lamber o que havia escorrido pra abriga e depois lambeu o meu saco. Limpou tudo, não desperdiçou nem uma nota de porra que saiu. Ela olhou pra mim e disse que nunca iria se esquecer o que eu fiz por ela, realizar o seu sonho de chupar uma pica e beber a porra todinha. É desse dia em diante, nós nos tornamos melhores amigos e somos até hoje!
Ela sabe tudo que eu faço e já fiz e ela também me conta tudo.
Claro que ela se tornou uma mulher maravilhosa, que topa tudo! Depois desse dia tivemos muitos outros dias de sacanagem, um tempo depois ela quiz mais que boquete e pediu pra eu comer o seu cuzinho, mas isso fica pra outra hora. Eu espero que vcs tenham gostado. Eu fico de pau duro até hoje quando eu me lembro disso é a gente dá muitas risadas desse dia maravilhoso.

Compartilhe com seus amigos:

Deixe um comentário