O primeiro anal a gente não esquece

Vou contar como foi meu primeiro anal. Me chamo Juliana, tenho 26 anos e formada em administração. Sempre fui muito focada no meu trabalho e nunca tive tanto tempo para a vida amorosa. Minha família é muito religiosa e consequentemente eu também. Arrumei meu primeiro namorado aos 18 anos, a gente namorava na porta, nada de sexo, íamos juntos para a igreja e meus pais estavam super satisfeitos, mas eu não, sempre sentia que faltava alguma coisa na minha vida, sempre era entediante e por conta disso acabei terminando o namoro com o rapaz e resolvi ficar um bom tempo sozinha.

Eu que sempre fui bem conservadora, lembro que um dia bateu um tesão absurdo quando acordei depois de um Sonho erótico com um vizinho meu que é casado. Acordei me sentindo bem culpada mas logo depois relaxei e passei a pensar mais nele, que se chama Yago. Ele é um jovem de 22 anos, educado e muito bonito, nunca tinha visto ele com namorada. Por incrível que pareça, depois desse sonho eu comecei a pensar nele todos os dias e passei a me masturbar. Me sentia pecadora mas era tão gostoso perceber Minha Bucetinha molhada.

Bom, todo dia cruzava com o Yago no corredor, a gente se cumprimentava, falava besteira mas nada além disso. Acabei voltando com meu noivo por pura pressão da família e dele, e o nosso namoro prosseguiu do mesmo jeito, sem grandes emoções. Um dia voltando da faculdade, Meu vizinho tava no elevador, começamos a conversar e ele disse que eu tava muito bonita, perguntou se eu queria ir no apartamento dele. Eu não sei porque aceitei, mas foi isso mesmo que eu fiz. Segui ele, chegando no apartamento ele mandou eu ficar a vontade.

Ele sentou ao meu lado e sem cerimônia começou a acariciar minhas coxas, fiquei bem arrepiada com esse contato e com meu grelo latejando de tesão. Fiquei tímida mas logo me soltei quando ele meteu a mão na minha calcinha e começou a massagear meu clitóris de um jeito que me deixou sentindo bastante prazer. A gente trocou umas carícias gostosas, ele colocou o pau pra fora e pediu para eu chupar. Nossa! fiquei meio nervosa porque não tinha tanto jeito, mas acabei mamando no pau dele. Ele gemia, empurrava mais na minha boca e as vezes eu até me sentia sufocar, mas o gosto do pau dele na minha boca era bom demais.

Enquanto eu chupava, sentia minha excitação escorrer pela calcinha, que ficou bem ensopada mesmo. Ele tirou minhas roupas e as dele e mandou eu abrir as pernas, mas eu disse que na bucetinha não dava pois eu queria casar virgem.

Então vai ser no cuzinho

Ele disse.

Eu gelei, ele foi pegar um lubrificante no quarto, me fez ficar de quatro e enquanto me lambuzava com lubrificante, me fez abrir as bandas da minha bunda com as mãos pra ele poder encaixar o pau. A primeira tentativa foi péssima, não entrava de jeito nenhum, na segunda entrou a cabecinha mas doeu muito, o jeito que ele encontrou foi meter um dedo no meu cu e me masturbar enquanto eu estava rebolando gostoso. Ele introduziu mais um dedo, incomodou um pouco mas ele continuou me fodendo bem gostoso.

Quando Meu Cuzinho tava bem relaxado, ele passou a pontinha da língua nele e depois me deixou com o cu lá em cima, me segurou pela cintura e com uma mão ele começou a encaixar o pau no meu rabinho. Senti uma dor absurda, parecia que ia rasgar todas as minhas pregas, mas conforme ele foi me fodendo, fiquei mais relaxada e passou a ser bem gostoso.

– Seu cuzinho é tão apertado, puta que pariu!

– Fode ele, deixa todo arrombado de prazer!

A gente trocou algumas palavras safadas e ficamos ali, ele comendo meu cu e eu rebolando na pica dele. Ele bombava tão forte que eu já tava toda assada imaginando como eu ia sentar de boa logo depois, mas eu queria dar gostoso e a gente transou por várias horas nesse dia, até eu sair pingando de suor de tanto ele me comer.

Ele levantou, me fez ficar de costas e sentar em seu colo, ele encaixou seu pau no meu cuzinho e começou a me segurar pela cintura e mover meu corpo em um vai e vem gostoso. O safado acariciou e apertou meus seios, barriga e com a mão livre começou a masturbar meu grelinho enquanto a gente fazia anal e isso foi um prazer tão intenso que não demorei para gozar. Senti as paredes da minha buceta apertando o pau dele e o gozo veio fácil, me tremi todinha mas foi uma delícia.

Depois de gozar gostoso, foi a vez dele de encher meu cuzinho de porra. Fiquei arrombada e com porra escorrendo do meu cu, mas tudo foi uma delícia, e depois que acabamos de trepar eu fiquei louca querendo fazer tudo de novo mais uma vez.

Leia mais contos fetiche comendo o cuzinho

Compartilhe com seus amigos:

3 comentários em “O primeiro anal a gente não esquece”

  1. Adoro comer um cú feminino, quem gostar de receber 15cm é só contactar no Whatsapp 11966352694, é ganha uma massagem relaxante com óleos.

Deixe uma resposta